11:44 05 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Pela primeira vez astrônomos testemunharam a morte de uma galáxia distante em um acontecimento que foi descrito por eles como um "evento verdadeiramente extremo".

    Quando todas as estrelas de uma galáxia morrem, e novos astros não se formam mais, a própria galáxia deixa de existir. Isso acontece quando todo o gás da galáxia é ejetado, o que torna impossível a formação de novas estrelas.

    Segundo estudo recentemente publicado na revista Nature Astronomy, cientistas ficaram entusiasmados por serem capazes de registrar esse fenômeno raro usando o radiotelescópio ALMA no deserto do Atacama, Chile.

    A luz da galáxia ID2299 demorou cerca de nove bilhões de anos para chegar à Terra, isso significa que quando os astrônomos observaram o evento eles testemunharam o Universo tal como ele parecia quando tinha apenas 4,5 bilhões de anos, aponta CBS News.

    De acordo com os cientistas, a galáxia ID2299 está perdendo a cada ano 10 mil massas solares de gás, ou seja, o "combustível" necessário para formar novas estrelas.

    Ilustração artística da galáxia ID2299 e gás ejetado pela cauda de maré em resultado da fusão de galáxias
    © REUTERS / M. Kornmesser / European Southern Observatory
    Ilustração artística da galáxia ID2299 e gás ejetado pela cauda de maré em resultado da fusão de galáxias

    A galáxia também está formando estrelas a um ritmo centenas de vezes mais rápido do que a Via Láctea, utilizando o restante de seu precioso gás. Devido a isso, a ID2299 deverá deixar de existir relativamente em pouco tempo, em algumas dezenas de milhares de anos.

    "Esta é a primeira vez que observamos uma típica galáxia maciça de formação de estrelas no Universo distante que está prestes a 'morrer' por causa de uma ejeção de gás frio maciça", disse em um comunicado Annagrazia Puglisi, principal autora do estudo.

    Astrônomos acreditam que o fenômeno é o resultado de uma fusão de galáxias porque conseguiram observar uma rara "cauda de maré" (corrente alongada de estrelas e gás), que, segundo sugerem, é o resultado direto de uma fusão galáctica. Eles observaram a galáxia por alguns minutos, mas foi o suficiente para detectar a cauda de maré.

    Mais:

    Observatório espacial Spektr-RG registra superaglomerado de galáxias desconhecido (FOTO)
    Cadê?! Ausência de buraco negro supermassivo em aglomerado de galáxias intriga cientistas (FOTO)
    Galáxia distante que entra em erupção a cada 114 dias é descoberta (VÍDEO, FOTO)
    Tags:
    Via Láctea, estrelas, radiotelescópio, Universo, galáxia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar