11:34 17 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    O superaglomerado é uma das maiores estruturas já encontradas no Universo e está localizado a cinco bilhões de anos-luz.

    A colaboração russa-alemã na pesquisa do espaço profundo gerou um resultado muito importante.

    Nas imagens do céu capturadas pelo observatório conjunto Spektr-RG, foi encontrado um superaglomerado de galáxias previamente desconhecido, de acordo com os resultados da pesquisa publicados no portal ArXiv.

    O superaglomerado é uma das maiores estruturas descobertas no Universo até então, podendo conter dezenas de milhares de galáxias.

    A estrutura recém-identificada é composta por oito aglomerados galácticos com o valor de desvio para o vermelho (alteração na forma como a frequência das ondas de fótons da luz é observada) de 0,36, segundo o Instituto Max Planck de Física Extraterrestre. Este dado indica que toda a estrutura se encontra aproximadamente a cinco bilhões de anos-luz do Sistema Solar.

    O grupo nomeado eFEDS J093513.3 + 004746, que se localiza na parte norte, é o mais maciço e luminoso dos oito. Também é um dos aglomerados mais abundantes e luminosos que os astrônomos alemães incluíram no catálogo final da faixa equatorial de dados do telescópio eROSITA.

    Os pesquisadores calcularam que a massa da gigante estrutura cósmica deveria superar a massa solar 580 bilhões de vezes, já a dos aglomerados menores pesariam cerca de 130 bilhões de sóis (massas solares).

    Na parte norte e sudeste, foram notados mais dois aglomerados de galáxias que estão em processo de fusão.

    Imagem colorida do mapa de densidade da galáxia com o valor de desvio para o vermelho de 0,36 do telescópio alemão eROSITA. Círculos brancos marcam a localização dos oito aglomerados de galáxias que formam o novo superaglomerado
    © Foto / Ghirardini et al., 2020.
    Imagem colorida do mapa de densidade da galáxia com o valor de desvio para o vermelho de 0,36 do telescópio alemão eROSITA. Círculos brancos marcam a localização dos oito aglomerados de galáxias que formam o novo superaglomerado

    Os dois telescópios do observatório Spektr-RG, o alemão eROSITA e o russo ART-XC, pesquisam o espaço com raio X e gama desde outubro de 2019, quando a sonda foi inserida em uma região de equilíbrio gravitacional entre o Sol e a Terra.

    Em meados de dezembro, o telescópio ART-XC completou o segundo exame de céu inteiro, segundo informou o Instituto de Pesquisa Espacial da Academia de Ciências da Rússia.

    A missão Spektr-RG tem mais seis pesquisas completas programadas e um extenso trabalho planejado para os próximos três anos.

    Mais:

    Ondulações no espaço-tempo podem fornecer pistas sobre componentes ausentes do Universo
    Telescópio japonês mostra imagens do novo asteroide-alvo da sonda Hayabusa2 (VÍDEO)
    Eventos raríssimos e vistas inéditas: todo o esplendor do espaço em fotos de dezembro
    Buracos negros podem explicar origem da matéria escura e da formação do Universo, dizem cientistas
    Tags:
    Universo, astronomia, observatório, telescópio, galáxias, ciência
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar