07:51 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    1 0 0
    Nos siga no

    A nova cepa registrada da COVID-19 não aumenta a taxa de letalidade do vírus sendo "desfavorável" para este, comentou à Sputnik Ancha Baranova, professora de Biologia na Universidade George Mason (EUA).

    "Não há letalidade elevada da nova variante do vírus", contou a professora, adicionando, no entanto, que não se pode descartar que o SARS-CoV-2 se torne mais perigoso.

    "O próprio processo de evolução do vírus acaba reduzindo o perigo do vírus, porque permite ao coronavírus se espalhar. Se o vírus [o SARS-CoV-2] de repente se tornar um perigo mortal, como ebola, o estado das pessoas vai piorar muito rápido e vão falecer antes que o vírus possa saltar a outro ser humano. Desde o ponto de vista do vírus, a estratégia é míope", explicou Baranova.

    Adicionalmente, a cientista notou que cepas parecidas existem provavelmente em outros países, incluindo a Rússia, mas, devido a um volume menor de estudos, estas não foram encontradas.

    Além disso, o aumento da mortalidade relativa também não foi registrado. Se se levar este fato em conta, pode se dizer que as mutações do vírus ampliam sua capacidade de propagação, mas não o tornam mais perigoso.

    Recentemente, uma nova cepa do coronavírus foi registrada no Reino Unido. Mais de 20 países, incluindo a Rússia, impõem restrições de viagem à ilha.

    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    Agência da União Europeia recomenda vacina da Pfizer contra COVID-19
    Comissão Europeia aprova vacina da Pfizer e BioNTech contra COVID-19
    Biden recebe vacina contra COVID-19 nos EUA e diz que 'não há nada a temer'
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar