09:27 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)
    010
    Nos siga no

    Um estudo da Boeing, em parceria com a Universidade do Arizona, comprovou que o calor pode eliminar a COVID-19 de seus aviões.

    Os estudos ocorreram em laboratórios protegidos da universidade e contaram com partes reais de uma cabine de comando.

    Durante o estudo, o aquecimento térmico atingiu os objetivos em apenas três horas, quando conseguiu reduzir o vírus em mais de 99,99% em temperaturas entre 40 e 50 graus Celsius.

    "A desinfecção térmica é um dos métodos mais antigos para matar microrganismos causadores de doenças. Isso é usado pelos microbiologistas em nosso laboratório todos os dias", afirmou à Fox News o dr. Charles Gerba, pesquisador principal do estudo.

    De acordo com Colin Hart, engenheiro de aviões comerciais da Boeing e gerente de sistemas de controle ambiental, o calor faz um bom trabalho em contornar cantos e em diversas superfícies, além de não requerer contato direto com produtos ou substâncias químicas.

    ​Desinfecção térmica, o aquecimento tem sido usado para matar vírus por séculos. Agora, nossos engenheiros e pesquisadores da Universidade do Arizona confirmaram que o método também pode ser usado para eliminar a COVID-19 na cabine do avião. Veja como.

    Contudo, vale ressaltar que as peças de um avião foram confeccionadas para resistirem até 70 graus Celsius.

    O novo estudo pode dar uma esperança à aviação civil, uma das áreas mais afetadas com o início da pandemia.

    Tema:
    Mundo enfrenta coronavírus no final de dezembro (111)

    Mais:

    Alemanha suspende voos do Reino Unido e África do Sul devido à mutação da COVID-19
    Brasil tem pelo menos 186.773 óbitos por COVID-19
    Presidente de Israel é vacinado contra COVID-19 em 1º dia de imunização em massa no país
    Tags:
    avião, aeronave, aeronaves, Boeing, estudo, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar