22:48 08 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    250
    Nos siga no

    O cometa recém-descoberto C/2020 S3 (Erasmus) será visto no céu noturno neste fim de semana.

    O cometa C/2020 S3 (Erasmus) demora 1.900 anos para entrar na órbita do Sol, e foi visto fazendo seu caminho de volta através do Sistema Solar, segundo o portal The Sky Live.

    Agora, o cometa está ligeiramente visível um pouco antes do amanhecer, ao sudeste do céu. No entanto, não é possível vê-lo a olho nu. No sábado, 12 de dezembro, se tornará possível sua contemplação.

    À medida que se aproxima do Sol, Erasmus aumentará seu brilho, e brilhará tanto quanto uma estrela de quinta magnitude, que pode ser facilmente localizada.

    Astrônomos preveem que o cometa será mais visível em 12 de dezembro, quando entrará na órbita de Mercúrio, o planeta mais próximo ao Sol. Depois dessa data, ele oscilará de volta em sua jornada e não será visto por dois mil anos.

    No entanto, devido a sua proximidade com o Sol, o brilho da estrela pode fazer com que fique difícil localizá-lo.

    Atualmente, o cometa está na constelação de Escorpião, segundo o portal The Sky Live.

    ​Cometa C/2020 S3 (Erasmus) com as galáxias NGC 5084 e NGC 5068 em Virgem

    O cometa Erasmus foi descoberto em 21 de setembro de 2020 pelo astrônomo sul-africano Nicolas Erasmus, daí a origem do seu nome.

    O astrofotógrafo, Gerald Rhemann, tirou uma foto do cometa e comentou que "sua cauda é magnífica com um lindo brilho verde", citado pelo tabloide Daily Express.

    Mais:

    'Estrela de Natal' será visível pela 1ª vez em 800 anos durante a época festiva natalina
    Telescópio Hubble captura desvanecimento rápido de Nebulosa de Arraia (FOTOS)
    Cientistas registram explosões letais na estrela mais próxima da Terra
    Terra será coberta por nuvem de plasma de clarão do Sol, relatam cientistas
    Misteriosa órbita de exoplaneta peculiar é identificada pelo Hubble
    Tags:
    Mercúrio, Sol, espaço, astronomia, céu, cometa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar