00:34 17 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    141
    Nos siga no

    Cientistas descobriram uma espécie de "bolha" abaixo do plano da Via Láctea. Os astrônomos já sabiam sobre a existência de uma estrutura semelhante no hemisfério celestial norte da galáxia.

    Unidas, estas "bolhas" formam uma "ampulheta" simétrica relativamente ao centro da nossa galáxia.

    Telescópio alemão eROSITA a bordo do observatório espacial russo de raios X Spektr-RG (instalado na órbita da Terra) encontrou anteriormente desconhecidas enormes bolhas de gás quente abaixo do plano da Via Láctea, segundo comunicado da Corporação Estatal de Atividades Espaciais da Rússia (Roscosmos).

    "No primeiro mapa da visão panorâmica de todo o céu criado pelo telescópio de raios X eROSITA a bordo do observatório russo Spektr-RG, astrônomos descobriram um detalhe incrível: uma enorme estrutura arredondada abaixo do plano da Via Láctea, que ocupa uma parte substancial no [hemisfério] celeste sul", informaram cientistas do Instituto de Pesquisas Espaciais no site da Roscosmos.

    Uma estrutura semelhante no hemisfério celestial norte é conhecida há bastante tempo e foi denominada pelos astrônomos de poço polar do norte.

    Durante muito tempo, pensava-se que o poço surgiu após explosão de uma supernova perto do Sol há dezenas ou centenas de milhares de anos.

    Estas estruturas juntas a do norte e a recém-descoberta do sul criam uma composição semelhante a "um halo em forma de ampulheta bastante simétrica em relação ao centro da galáxia", apontam cientistas do instituto.

    ​Estruturas gigantes na Via Láctea chamadas bolhas de Fermi foram provavelmente causadas pela atividade no passado do buraco negro supermassivo no centro da nossa galáxia. Os cientistas chegaram a esta conclusão graças aos dados do observatório russo Spektr-RG.

    As bolhas que mudam de brilho descobertas pelo telescópio são o reflexo das perturbações dentro da camada de gás quente. "Elas foram causadas por uma ejeção de material devido à atividade de um buraco negro supermassivo no centro da nossa galáxia, ou uma explosão gigante de formação estelar no gás no centro da galáxia", opinam pesquisadores, escreve portal RBC. 

    Para criar estas "bolhas" foi necessária energia semelhante à potência de 100 mil supernovas, e o tamanho de ambas as estruturas é comparável ao tamanho de toda a Via Láctea.

    Mais:

    Detectam pela 2ª vez na Via Láctea estrela de nêutrons emitindo 'misteriosas' rajadas de rádio
    Existem centenas de milhões de planetas potencialmente habitáveis na Via Láctea, segundo estudo
    'Galáxia Fóssil' é descoberta dentro da Via Láctea (FOTO)
    Tags:
    supernova, buraco negro, observatório, Roscosmos, radiotelescópio, Via Láctea
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar