14:41 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 80
    Nos siga no

    O exoplaneta HD106906 b foi descoberto em 2013 com o Telescópio Gigante de Magalhães, no Observatório Las Campanas, no deserto do Atacama, Chile.

    Os astrônomos analisaram as imagens do telescópio Hubble e descobriram um planeta de aproximadamente 11 vezes a massa de Júpiter, chamado HD106906 b, que ocupa uma órbita estranha em torno de uma estrela dupla a 336 anos-luz de distância.

    A descoberta é uma evidência de que possam existir mundos igualmente distantes em torno de outras estrelas. Além disso, poderia confirmar a existência do Planeta Nove, segundo um novo estudo publicado na The Astronomical Journal.

    Descoberto em 2013, os astrônomos não sabiam nada sobre sua órbita, contudo, o Hubble coletou medidas muito precisas do movimento do objeto durante 14 anos, revelando assim, sua peculiar órbita.

    O HD106906 b reside extremamente distante de suas estrelas jovens e brilhantes, a mais de 730 vezes a distância da Terra ao Sol. Esta distância considerável dificultou a determinação da órbita de 15.000 anos de duração em um lapso de tempo tão curto de observações do Hubble.

    O planeta avança lentamente ao longo de sua órbita, dada a fraca atração gravitacional de suas estrelas-mães muito distantes.

    Por sua vez, o Hubble confirmou que este mundo remoto possui uma órbita extrema que é consideravelmente inclinada, alongada e externa, com um disco de poeiras de escombros que rodeia as estrelas gêmeas anfitriãs do exoplaneta.

    A teoria predominante para explicar como o exoplaneta chegou a uma órbita tão distante e extremamente inclinada, é que o mesmo tenha sido formado muito mais próximo de suas estrelas, aproximadamente três vezes a distância que separa a Terra do Sol.

    No entanto, o deslizamento dentro do disco de gás do sistema fez com que a órbita do planeta caísse, obrigando a migração para dentro, até seus anfitriões estelares.

    Visão artística do Planeta Nove que pode estar a orbitar no Sistema Solar exterior
    © REUTERS / R. Hurt / Caltech
    Visão artística do Planeta Nove que pode estar a orbitar no Sistema Solar exterior

    As forças gravitacionais das estrelas gêmeas giratórias o empurraram para uma órbita excêntrica que quase o arremessou para fora do sistema, e ao vazio do espaço interestelar.

    Logo, uma estrela passou muito próxima deste sistema, estabilizando a órbita do exoplaneta e evitando que abandonasse seu sistema de origem.

    "É como se tivéssemos uma máquina do tempo para nosso próprio Sistema Solar, que se remonta a 4,6 bilhões de anos, para ver o que pode ter ocorrido quando nosso jovem Sistema Solar estava dinamicamente ativo e tudo estava sendo empurrado e reorganizado", explicou Paul Kalas, membro da equipe da Universidade de Berkeley, nos Estados Unidos.

    Mais:

    Exoplanetas habitáveis poderiam ser identificados por 'código de cores', afirma estudo
    Exoplaneta do tamanho de Saturno teria sido encontrado por grupo de astrônomos amadores
    Exoplaneta Proxima c pode ter sido fotografado pela 1ª vez
    Tags:
    hubble, exoplaneta, Planeta 9, planeta, cientistas, astrônomo, estudos, estudo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar