17:13 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)
    0 60
    Nos siga no

    Pesquisadores alemães descobriram RNA do coronavírus no cérebro, tendo investigado os tecidos nervosos cerebrais durante um estudo de pacientes falecidos com COVID-19. O artigo foi publicado na revista Nature.

    De 214 pacientes infectados pelo SARS-CoV-2 na província de Wuhan (China), em 36,4% foram observadas convulsões, encefalopatia e encefalite, e esta percentagem é ainda maior entre os que tinham forma grave da doença. Em um terço dos infectados foi observada fadiga geral, náusea e vômito, com a confusão mental sendo o sintoma mais caraterístico da doença. Tudo isso indica que o vírus danifica o cérebro humano.

    Marcadores de inflamação

    "Estou notando certas perturbações das funções cognitivas: é mais difícil de me concentrar, comecei a me esquecer de mais assuntos, o que é assustador, às vezes realmente importantes, periodicamente tenho a sensação de névoa cerebral", escreveu no Facebook o cirurgião cardiovascular Aleksei Fyodorov, que esteve doente com o coronavírus há um mês.

    Nos comentários muitos nomearam sintomas semelhantes, o que aponta a invasão do vírus no cérebro, mas através de quais caminhos e o que danifica era desconhecido.

    Em abril, um cientista Giuseppe De Santis publicou na revista Science um estudo sobre marcadores da inflamação cerebral na COVID-19, lançando a teoria que SARS-CoV-2 invade através do bulbo olfativo, ou seja, o domínio no cérebro responsável pelos olfatos, e atinge o tronco cerebral, matando neurônios.

    Em consequência, citocinas que precedem a inflamação podem provocar uma reação impetuosa no organismo, a chamada tempestade de citocinas, e danificar o cérebro. Por isso mesmo, os médicos devem estar preparados para que o estado dos pacientes com perda do olfato piore, ressaltou o cientista.

    Até então, uma equipe de cientistas na China comprovou esta teoria, tendo realizado um experimento durante o qual cultivaram neurônios de células humanas rejuvenescidas e criaram organelas servindo de modelo representativo do cérebro. Eles verificaram que o coronavírus infecta estas organelas de neurônios se replicando nelas e, além disso, invade as células do córtex cerebral.

    RNA do vírus é descoberto no cérebro

    Finalmente, cientistas alemães encontraram provas comprovando diretamente a penetração viral no cérebro. Eles realizaram um grande estudo póstumo dos tecidos nervosos cerebrais, tendo examinado amostras de várias áreas cerebrais e muco da nasofaringe de 33 pacientes falecidos, entre 30 e 98 anos de idade, infectados com COVID-19.

    De todas as amostras, a maior quantidade de RNA do vírus e da proteína com ajuda da qual o vírus se "agarra" à membrana celular foi encontrado no muco da nasofaringe.

    "Isto comprova que o SARS-CoV-2 é capaz de o usar [o muco] como uma porta de entrada para o cérebro", contou o professor do hospital Charité Frank Heppner, um dos chefes do estudo.

    Porém, os cientistas ressaltam que eles analisaram tecidos de pacientes falecidos com forma grave da COVID-19, os quais necessitavam ventilação pulmonar mecânica. Por isso, os resultados do estudo devem ser extrapolados com cautela aos pacientes com formas leve e moderada da doença.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)

    Mais:

    Mãe dá à luz, mas é entubada a seguir e morre de COVID-19 antes de conhecer o próprio filho
    Imperial College: 76% da população de Manaus teve a COVID-19
    Biden promete 100 milhões de aplicações da vacina contra COVID-19 em 100 dias de Presidência
    Tags:
    novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar