13:11 18 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    131
    Nos siga no

    A pesquisa contraria as previsões de algumas das organizações científicas mais importantes dos EUA, considerando que o histórico aponta a forte atividade solar na década de 2020.

    O Sol pode ter entrado em um novo ciclo crescente de atividade, preveem em comunicado cientistas do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos EUA.

    Os ciclos solares são provocados pela mudança dos polos da estrela. Durante esse período inicial, chamado mínimo solar, a atividade magnética é baixa, com falta de manchas solares, erupções solares e ejeções de massa coronal. O último ocorreu em dezembro de 2019. Esses fenômenos aumentam à medida que é completada a "troca" polar, levando a um máximo solar. Juntos, são estimados que os períodos durem 22 anos, 11 para cada máximo e mínimo.

    Contrários às previsões da agência espacial NASA e da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) dos EUA, que acreditam que o atual Ciclo Solar 25 terá um máximo solar de 115 manchas solares em julho de 2025, os pesquisadores creem que o atual será muito maior.

    De acordo com o estudo publicado na revista Solar Physics, as cintilações de luz ultravioleta extrema, chamados pontos luminosos coronais, costumam se deslocar dos polos em direção ao equador. E esse fenômeno é coincidente com as atividades das manchas solares.

    Assim, quando eles se encontram no equador do Sol, é atingido o máximo solar, apelidado de exterminador pela equipe de pesquisa, seguido por um gradual "regresso" aos polos e respectivo mínimo solar, com cada "viagem" durando 11 anos em média, mas não sempre.

    Os cientistas também notaram outro padrão.

    "Quando olhamos para trás ao longo dos 270 anos de observação dos eventos do exterminador, vemos que quanto mais longo o tempo entre os exterminadores, mais fraco [é] o próximo ciclo", relatou o astrônomo Bob Leamon, da Universidade do Condado de Maryland Baltimore, EUA. Os ciclos solares passaram a ser registrados a partir de 1755.

    "E, inversamente, quanto mais curto o tempo entre os exterminadores, mais forte será o próximo ciclo solar."

    Devido à baixa intensidade do recém-exterminado Ciclo 24, os pesquisadores creem que o ciclo que se desenvolverá durante os anos 2020 será radicalmente diferente.

    "Um fraco Ciclo 25 de manchas solares, como a comunidade está prevendo, seria um completo afastamento de tudo o que os dados nos mostraram até este ponto", aponta o físico solar Scott McIntosh do NOAA.

    Mais:

    Uma década em 61 minutos: NASA mostra atividade solar em timelapse deslumbrante (VÍDEO)
    Calmaria incomum do Sol coloca cientistas em alerta
    Estudo traz à tona frequência de tempestades solares danosas à humanidade
    Tags:
    EUA, NASA, Sol
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar