09:14 19 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 123
    Nos siga no

    A agência espacial do Japão informou que a cápsula liberada pela espaçonave Hayabusa2 pousou em uma área remota no sul da Austrália, conforme o planejado, trazendo amostras do asteroide Ryugu.

    A Hayabusa2 lançou com sucesso a pequena cápsula neste sábado (5) e a enviou para a Terra para entregar amostras de um asteroide distante, que poderiam fornecer pistas sobre a origem do sistema solar e da vida em nosso planeta, disse a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA, na sigla em inglês), segundo a AP.

    Na madrugada deste domingo (6), horário do Japão, tarde de sábado no Brasil, a cápsula se transformou brevemente em uma bola de fogo ao reentrar na atmosfera, 120 quilômetros acima da superfície da Terra. A cerca de dez quilômetros acima do solo, um paraquedas se abriu para reduzir a velocidade de sua descida, enquanto o equipamento emitia sinais para indicar sua localização.

    O vídeo da imagem da bola de fogo da cápsula de reentrada foi publicado no site da Hayabusa 2!

    Os sinais foram detectados, sugerindo que o paraquedas abriu com sucesso e a cápsula pousou com segurança em uma área remota e escassamente povoada de Woomera, na Austrália, disse o oficial da JAXA Akitaka Kishi. De acordo com uma postagem posterior da agência espacial japonesa no Twitter, um helicóptero foi utilizado para encontrar a localização exata da cápsula, que será recuperada assim que o sol nascer.

    Imagens da bola de fogo capturadas no local. Seja bem-vinda de volta.

    A Hayabusa2 deixou o asteroide Ryugu, situado a cerca de 300 milhões de quilômetros de distância da Terra, há um ano. Depois de lançar a cápsula, a espaçonave se afastou para capturar imagens do objeto descendo em direção à superfície da Terra, enquanto partia em uma nova expedição para outro asteroide distante.

    A cápsula desceu de 220.000 quilômetros de distância no espaço depois que foi separada de Hayabusa2 em uma operação desafiadora, que exigia controle e precisão.

    O especialista em rochas espaciais da Universidade Nacional da Austrália, Trevor Ireland, que está em Woomera para a chegada da cápsula, disse à AP que espera que as amostras de Ryugu sejam semelhantes a do meteorito que caiu na Austrália, perto de Murchison, no estado de Vitória, há mais de 50 anos.

    "O meteorito Murchison abriu uma janela sobre a origem dos compostos orgânicos na Terra porque descobriu-se que essas rochas contêm aminoácidos simples, bem como água abundante", disse Ireland. "Vamos examinar se Ryugu poderia ser uma fonte potencial de matéria orgânica e água para a Terra quando o sistema solar estava em formação, e se eles ainda permanecem intactos no asteroide'', acrescentou.

    Os cientistas dizem que acreditam que as amostras, especialmente aquelas retiradas da superfície do asteroide, contêm dados valiosos não afetados pela radiação espacial e outros fatores ambientais. Eles estão particularmente interessados ​​em analisar materiais orgânicos.

    Filmagem da Hayabusa2 a 12.000 km de distância feita pela câmera externa da Estação Espacial Internacional. Obrigado NASA! Parabéns Hayabusa2 pela reentrada bem-sucedida! Confiram!

    A JAXA espera encontrar pistas de como os materiais são distribuídos no sistema solar e estão relacionados com a vida na Terra. Makoto Yoshikawa, o gerente da missão, disse que 0,1 grama de poeira seria suficiente para realizar todas as pesquisas planejadas, segundo a AP.

    Os asteroides, que orbitam o sol, mas são muito menores do que os planetas, estão entre os objetos mais antigos do Sistema Solar e, portanto, podem ajudar a explicar como a Terra evoluiu.

    Mais:

    Japão cria subdivisão aeroespacial para enfrentar concorrência no espaço, diz mídia
    Missões espaciais novas e galáxias recém-descobertas nas belas imagens de novembro
    Astrônomos registraram mais de mil objetos redondos estranhos no espaço (FOTO)
    Tags:
    asteroide, JAXA, espaço, Hayabusa-2
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar