08:16 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    2110
    Nos siga no

    Em estudo publicado na revista Science Advances, um grupo de cientistas chegou à conclusão que a região mais habitável para a vida em Marte teria sido até vários quilômetros abaixo de sua superfície.

    Publicação de pesquisadores do Rutgers University-New Brunswick, do Dartmouth College, da Louisiana State University e do Planetary Science Institute pode ajudar a resolver o que é conhecido como o paradoxo do jovem Sol fraco, questão chave para entender a origem da vida em Marte.

    O paradoxo do jovem Sol fraco trata da contradição aparente entre observações de água líquida no início da história da Terra (e também de Marte), e a predição astrofísica de que o brilho do Sol na época era de apenas 70% em relação ao presente, insuficiente para manter água no estado líquido.

    A publicação parte do entendimento de que nosso Sol é um enorme reator de fusão nuclear, que gera energia pela fusão de hidrogênio em hélio. Com o tempo, o astro aqueceu a superfície dos planetas em nosso sistema solar. Porém, cerca de quatro bilhões de anos atrás, o Sol estava muito mais fraco, então o clima do início de Marte deveria ser congelante.

    Os pesquisadores sustentam, no entanto, que a superfície de Marte tem muitos indicadores geológicos, como leitos de rios antigos, e indicadores químicos, como minerais relacionados à água, que sugerem que o planeta vermelho tinha água líquida abundante há cerca de 4,1 bilhões.

    Essa aparente contradição entre o registro geológico e os modelos climáticos é onde está o paradoxo do jovem Sol fraco na questão envolendo a vida no planeta vermelho.

    "Mesmo que gases de efeito estufa como dióxido de carbono e vapor d'água sejam bombeados para a atmosfera marciana em simulações de computador, os modelos climáticos ainda lutam para sustentar um Marte quente e úmido de longo prazo", disse a autora Lujendra Ojha, professora assistente do Departamento de Ciências da Terra e Planetárias na Escola de Artes e Ciências da Rutgers University-New Brunswick.

    Foto da superfície de Marte tirada pela sonda Curiosity
    © NASA . NASA/JPL-Caltech/MSSS
    Foto da superfície de Marte tirada pela sonda Curiosity
    Em planetas rochosos como Marte, Terra, Vênus e Mercúrio, elementos produtores de calor como urânio, tório e potássio geram calor por decaimento radioativo.

    Em tal cenário, a água líquida pode ser gerada através do derretimento no fundo de espessas camadas de gelo, mesmo se o Sol estiver mais fraco do que agora. Na Terra, por exemplo, o calor geotérmico forma lagos subglaciais em áreas do manto de gelo da Antártica Ocidental, Groenlândia e Ártico canadense.

    Para os cientistas que publicaram o estudo, é provável que um derretimento semelhante possa ajudar a explicar a presença de água líquida em Marte há quatro bilhões de anos. Independentemente da natureza real do antigo clima marciano, a subsuperfície (abaixo da terra) teria sido a região mais habitável de Marte.

    Fluxos da água em Marte
    © Foto / NASA/JPL/University of Arizona
    Fluxos da água em Marte
    Os cientistas examinaram vários conjuntos de dados de Marte para ver se o aquecimento via calor geotérmico teria sido possível neste período. Eles mostraram que as condições necessárias para o derretimento subterrâneo seriam onipresentes.

    Mesmo se Marte tivesse um clima quente e úmido há quatro bilhões de anos, com a perda do campo magnético, afinamento atmosférico e subsequente queda nas temperaturas globais ao longo do tempo, a água líquida pode ter sido estável apenas em grandes profundidades. Portanto, a vida, se alguma vez se originou em Marte, pode ter seguido a água líquida a profundidades progressivamente maiores.

    "Em tais profundidades, a vida poderia ter sido sustentada por atividade hidrotérmica (aquecimento) e reações rocha-água", disse Ojha. "Portanto, a subsuperfície pode representar o ambiente habitável de vida mais longa em Marte".

    Vista de antiga rede fluvial em Marte
    Vista de antiga rede fluvial em Marte

    Mais:

    Astronautas poderiam hibernar por 7 meses durante viagem a Marte
    Missão conjunta dos EUA e Europa a Marte precisa de até US$ 1 bilhão a mais
    Como a água desapareceu de Marte? Cientistas lançam teoria
    Tags:
    astronomia, astrofísica, ciência, descoberta, cientistas, planetas, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar