08:15 20 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    4211
    Nos siga no

    A gigante chinesa da tecnologia afirma que conseguiu reduzir significativamente o tempo de produção de telefones celulares.

    A Huawei agora é capaz de fabricar dois smartphones em menos de um minuto, garante Shi Yaohong, vice-presidente da gigante chinesa da tecnologia, durante uma conferência sobre segurança digital em Changsha, na China, relata o portal IThome.

    Shi destaca que em 2015 a empresa demorava dez minutos para que cada linha de produção fabricasse um novo smartphone. Agora, são meros 27 segundos, 20 vezes mais rápido do que há cinco anos.

    Homem usando máscara facial durante a pandemia do coronavírus passa por um estande da Huawei na Feira Internacional de Comércio em Serviços da China 2020 (CIFTIS, na sigla em inglês) em Pequim, China, 4 de setembro de 2020
    © REUTERS / Tingshu Wang
    Homem com máscara passando ao lado de um estande da Huawei

    Huawei também reduziu o número de funcionários nas linhas de produção, conforme relatado dias antes pelo presidente da Huawei Cloud Computing Technology e Huawei Cloud Business, Zheng Yelai.

    "Nós produzimos a linha de smartphones Huawei Mate com o sistema de gerenciamento de custos avançado. Enquanto em 2015 cada linha de produção exigia 97 funcionários, a produção do Huawei Mate 40 requer apenas 14 funcionários", afirmou Zheng, citado pelo portal Tech Review.

    No momento, a empresa está fazendo novos planos para sua estratégia de lançamento de celulares no próximo ano.

    Mais:

    Huawei vende sua marca de smartphones Honor para 'assegurar a sobrevivência'
    Rivais chinesas da Huawei pretendem se beneficiar de sanções dos EUA contra empresa, dizem fontes
    Fundador da chinesa Huawei encara venda da Honor como 'clara ruptura'
    Instalação de equipamentos 5G da Huawei será proibida no Reino Unido a partir de setembro de 2021
    Tags:
    China, telefone celular, smartphone, Huawei
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar