05:31 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    COVID-19 no mundo no fim de novembro (67)
    4142
    Nos siga no

    Cientistas turcos descobriram que a quantidade de vírus SARS-CoV-2 no organismo de pacientes assintomáticos é mais alta do que nos que apresentam sintomas, o que diferencia radicalmente o novo coronavírus de outros patógenos e explica os esforços infrutíferos de muitos países para conter a pandemia.

    Investigações anteriores revelam que os infectados assintomáticos podem transmitir a infecção, mesmo que não tenham febre ou tosse. Porém, cientistas turcos publicaram um artigo com os resultados inesperados de seu estudo na revista Infection.

    Os autores avaliaram o nível de carga viral em seis tipos de pacientes de diferentes idades e níveis de gravidade da doença. Desse modo eles intencionavam determinar a ligação entre a evolução da doença e a carga viral na COVID-19.

    Especialistas recolheram amostras da nasofaringe, garganta, cavidade bucal e reto, tal como amostras de saliva, sangue e urina, de 60 pacientes com o coronavírus confirmado. Em um quarto deles não eram observados sintomas. No total, os cientistas analisaram 360 amostras.

    Revelou-se que todos os pacientes sem sintomas tinham uma carga viral mais alta do que os que os apresentavam. Além disso, com aumento da gravidade da doença e a idade do paciente esse indicador descia.

    "COVID-19 é um complexo quebra-cabeça, constituído por múltiplos puzzles. São necessários com urgência estudos virulógicos e imunológicos para juntar tudo em um conjunto e observar a imagem geral", escrevem os cientistas. "Nosso estudo, ao contrário dos outros, demonstra que os pacientes assintomáticos têm uma carga viral de SARS-CoV-2 mais alta do que os que têm sintomas, e com o aumento da gravidade da doença e a idade do paciente observa-se um declínio considerável da carga viral."

    Segundo especialistas, a baixa carga viral do SARS-CoV-2 está correlacionada a fatores que definem uma má evolução da infecção, tais como opacidade em "vidro fosco" bilateral em tomografia do tórax, número baixo de linfócitos e idade avançada.

    Os autores consideram que a carga viral mais alta em pacientes sem sintomas poderia ser só "a ponta do iceberg" dos problemas ligados à transmissão do coronavírus.

     

    Tema:
    COVID-19 no mundo no fim de novembro (67)

    Mais:

    Vacina da Moderna contra COVID-19 se mostra 94,1% eficaz durante 3ª fase do estudo
    COVID-19: inteligência artificial prevê 96% dos casos que exigirão cuidados intensivos, diz estudo
    Especialista explica se é possível contrair COVID-19 durante vacinação com Sputnik V
    Tags:
    COVID-19, pandemia, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar