06:04 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Durante os trabalhos de instalação de conduta de gás em uma rua em Lima, uma equipe de operários encontrou o esqueleto de uma mulher de aproximadamente 20 anos que viveu cerca de 600 anos atrás, durante o Império Inca.

    Embora a descoberta tenha sido feita em 2018, os detalhes só foram anunciados nesta semana após conclusão dos estudos arqueológicos, incluindo a reconstrução digital do rosto da jovem, que se atrasaram devido à pandemia.

    Os especialistas lhe atribuíram um nome – Wayaw (salgueiro em quéchua). A mulher tinha 1,48 m de altura e acredita-se que morreu por causas naturais.

    Tal como milhares de trabalhadoras peruanas na atualidade, ela era fiandeira, disse ao portal France 24 Cecilia Camargo, a arqueóloga chefe da escavação.

    "Ela foi uma artesã, não da elite, que se dedicava a um trabalho tão nobre como é o tecido, [usando] técnicas que se preservaram até hoje", afirmou arqueóloga.

    "Ela era como muitas mulheres da atualidade que trabalham com tecidos em San Juan de Lurigancho", acrescentou.

    A mulher foi encontrada em posição fetal, enterrada junto a objetos têxteis e decorativos, como um alfinete de prata e pulseiras com conchas de mariscos.

    Uma das evidências de que ela se ocupava desta profissão é que os ossos dos ombros e da anca estavam desgastados.

    Seu crânio apresenta uma deformação, uma característica típica em certos povos que naquela época viviam na região que atualmente é o Peru, já que para distinguir as crianças lhes colocavam na cabeça tábuas, panos e cordas.

    Mais:

    Esqueleto da Idade de Ouro Islâmica é encontrado em tumba no Irã (FOTO)
    Arqueólogos encontram restos de 20 esqueletos de prisioneiros de campo nazista (FOTOS)
    Esqueleto de 5.000 anos encontrado na Alemanha fornece pistas sobre era pré-histórica (FOTO)
    Tags:
    artefatos, arqueólogos, restos mortais, Peru, civilizações antigas, esqueleto
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar