04:10 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Pesquisadores encontraram uma galáxia que tem conseguido sobreviver à força da gravidade de um buraco negro, continuando a formar novos astros – cerca de 100 estrelas do tamanho do Sol por ano.

    A descoberta, que foi feita usando o espectrômetro do Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha (SOFIA, na sigla em inglês) da NASA, pode ajudar a explicar como surgiram as galáxias maciças, tendo em conta que o Universo de hoje está dominado por galáxias que já não formam estrelas, segundo o estudo publicado na revista Astrophysical Journal.

    "Isto nos mostra que o crescimento dos buracos negros ativos não interrompe instantaneamente o nascimento de estrelas, o que contraria todas as previsões científicas atuais", disse Allison Kirkpatrick, co-autora do estudo, professora assistente na Universidade do Kansas, EUA.

    "Isso nos faz reconsiderar nossas teorias sobre a evolução das galáxias", disse.

    O observatório SOFIA analisou a galáxia CQ4479, localizada a mais de 5,25 bilhões de anos-luz de distância. Em seu núcleo está um tipo especial de quasar, que foi recentemente descoberto por Kirkpatrick, denominado de "quasar frio".

    Neste tipo de quasar o buraco negro ainda está se alimentando de material de sua galáxia hospedeira, mas a energia resultante do quasar não eliminou o gás frio da região. Por essa razão, as estrelas continuam nascendo – já que são feitas desse mesmo gás.

    ​Encontramos uma galáxia que sobrevive à devastação de um buraco negro, pelo menos por agora. A descoberta faz os cientistas repensarem as teorias da evolução das galáxias.

    Esta é a primeira vez que os pesquisadores analisam detalhadamente um quasar frio, medindo diretamente o crescimento do buraco negro, a taxa de criação de estrelas e a quantidade de gás frio que resta para abastecer a galáxia.

    "Ficamos surpresos ao ver outra galáxia fora do padrão que desafia as teorias atuais", ressaltou Kevin Cooke, autor principal do estudo e pesquisador de pós-doutorado da Universidade do Kansas.

    "Se este crescimento em tandem continuar, tanto o buraco negro como as estrelas que o rodeiam vão triplicar sua massa antes de a galáxia deixar de existir".

    Sendo uns dos objetos mais brilhantes e mais distantes do Universo, os quasares ou "fontes de rádio quase estelares" são extremamente difíceis de observar porque muitas vezes ofuscam tudo à sua volta.

    Mais:

    Qual a velocidade de rotação do buraco negro no centro de nossa galáxia?
    Um buraco negro em casa: pesquisa inédita permite reproduzir física espacial em laboratório
    Hubble captura jogo de luz e sombras de seu disco rodeando um buraco negro (FOTO)
    Tags:
    Terra, astronomia, Universo, estrelas, galáxias, buraco negro, NASA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar