07:55 28 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 90
    Nos siga no

    Esqueleto de baleia entre 3 mil e 5 mil anos de idade foi encontrado em Samut Sakhon, na Tailândia. Os ossos possivelmente pertencem à espécie baleia-de-Bryde.

    O esqueleto da baleia foi encontrado em Samut Sakhon, a oeste de Bangkok, na Tailândia, a cerca de 12 quilômetros da costa, de acordo com o jornal The Nation.

    Os ossos vão passar por datação em radiocarbono para determinar a idade certa mais aproximada da descoberta.

    O ministro dos Recursos Naturais e do Meio Ambiente, Varawut Silpa-archa, informou que os ossos parecem pertencer à baleia-de-Bryde, espécie que ainda nada pelos mares tailandeses. Cerca de 50 baleias-de-Bryde vivem no Golfo da Tailândia, perto da costa de Samut Sakhon.

    "Os mares ao redor da Tailândia têm vida abundante por milhares de anos, como demonstrado pelos fósseis. É dever da geração atual de tailandeses preservar o equilíbrio antigo e a sustentabilidade do ambiente marinho fértil", comentou Varawut Silpa-archa.

    O esqueleto parcialmente fossilizado possui cerca de 12 metros, sendo que três metros correspondem apenas ao crânio do animal. Os arqueólogos escavaram 19 vértebras com cinco costelas cada, junto com uma omoplata e nadadeiras esquerdas. Os arqueólogos estimam que ainda é preciso escavar outros 20% do esqueleto.

    Como os restos do animal foram encontrados a 12 quilômetros da linha da costa atual, isso demonstra como mudou o nível do mar durante esses milhares de anos.

    Mais:

    Parente dos cavalos e rinocerontes habitava Índia há mais de 50 milhões de anos, diz estudo
    Descoberta de antigo leito de lago embaixo do gelo da Groenlândia pode revelar segredos do passado?
    Morto em combate: 1º fóssil de T-rex completo é encontrado junto ao adversário (FOTOS)
    Crocodilo de mais de 2 metros causa pânico ao invadir casa de família na Tailândia
    Tags:
    mar, fósseis, osso, baleia, descoberta, Tailândia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar