02:00 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 10
    Nos siga no

    O Telescópio Espacial Hubble observou uma coleção de raios brilhantes estreitos e sombras escuras irradiando do centro brilhante de uma galáxia ativa próxima.

    Enquanto estudava a galáxia próxima IC 5063, uma equipe de astrônomos notou que uma coleção de raios estreitos, brilhantes e sombras escuras irradiavam de um centro super brilhante da galáxia ativa. O estudo foi liderado por Peter Maksym, do Centro de Astrofísica Harvard & Smithsonian (CFA, na sigla em inglês), em Cambridge, Massachusetts nos EUA.

    Esses feixes oferecem pistas sobre a distribuição de material próximo ao buraco negro, causando o jogo de sombras.

    A equipe traçou os raios de volta ao centro da galáxia. No entanto, várias teorias possíveis foram desenvolvidas para o espetáculo luminoso. A ideia mais intrigante sugere que há um anel em forma de tubo interno, ou toro, de material empoeirado ao redor do buraco negro, que lança sua sombra no espaço.

    Os buracos negros são conhecidos por puxarem estrelas e gás para o disco que gira ao seu redor. Este evento produz imensa energia, bem como um poderoso jato de luz de gás superaquecido em queda.

    Os discos giratórios estão tão distantes que é incrivelmente desafiador obter qualquer detalhe sobre eles. Felizmente, por uma mera coincidência em termos de alinhamento, os astrônomos conseguiram ter um vislumbre da estrutura do disco em torno do buraco negro na galáxia IC 5063 próxima, graças ao Hubble.

    Telescópio Espacial Hubble capta feixes de luz e sombra da galáxia IC 5063
    Telescópio Espacial Hubble capta feixes de luz e sombra da galáxia IC 5063

    De acordo com o cenário proposto por Maksym em seu estudo, publicado no The Astrophysical Journal Letters, o disco de poeira ao redor do buraco negro não bloqueia toda a luz. As lacunas do mesmo permitem que a luz se irradie, criando raios brilhantes em forma de cone, semelhantes aos feixes de luz às vezes vistos durante o pôr do sol. No entanto, os raios na galáxia IC 5063 estão acontecendo em uma escala muito maior, atingindo pelo menos 36.000 anos-luz.

    Estes feixes de luz e sombras são visíveis porque o buraco negro e seu anel estão inclinados para os lados em relação ao plano da galáxia, permitindo que os feixes se estendam para além do universo.

    Maksym disse que "cientificamente, [a galáxia em estudo] está nos mostrando algo que é difícil - geralmente impossível - de ver diretamente. [...] Saber mais sobre a geometria do toro terá implicações para qualquer pessoa que tente entender o comportamento dos buracos negros supermassivos e seus ambientes. Conforme uma galáxia evolui, ela é moldada pelo seu buraco negro central".

    "Esta descoberta não teria sido possível sem a visão afiada do Hubble. A galáxia também está relativamente próxima, a apenas 156 milhões de anos-luz da Terra. Imagens mais antigas de telescópios no solo talvez mostrassem dicas desse tipo de estrutura, mas a própria galáxia é uma bagunça que você nunca imaginaria que estaria acontecendo sem o Hubble".

    Mais:

    Enigma da nebulosa do Anel Azul que brilha em ultravioleto é resolvido por astrofísicos (FOTOS)
    Cientistas italianos descobrem semelhanças impressionantes entre cérebro humano e Universo
    Lei da extinção galáctica deve ser revisada após descoberta inédita
    Tags:
    astronomia, descoberta, Hubble, sombra, luz, Cosmos, Universo, galáxia, buraco negro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar