04:47 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 20
    Nos siga no

    Restos de DNA da bactéria causadora da "febre das trincheiras", que provocou a morte de mais de meio milhão de soldados durante a Primeira Guerra Mundial, foram encontrados em amostras dentais do século I.

    Uma equipe internacional de pesquisadores de diversas universidades descobriu em evidências de DNA que a febre das trincheiras, uma doença bacteriana que causou a morte de mais de meio milhão de soldados durante a Primeira Guerra Mundial, já afetava diferentes povos a milhões de anos antes de ser documentada pela primeira vez em 1915.

    Durante a pesquisa, os cientistas realizaram testes de reação em cadeia de polimerase (PCR, na sigla em inglês) em 400 dentes de 145 pessoas para detectar rastros do DNA de 'Bartonella Quintana', o patogênico causador da febre das trincheiras.

    As amostras dentais foram recuperadas de novo sítios arqueológicos que datam entre os séculos I e XIX.

    Bactéria (ilustração gráfica)
    Bactéria (ilustração gráfica)

    Os resultados dos testes, publicados recentemente na revista PLOS ONE, indicam que aproximadamente 20% das pessoas apresentavam rastros da bactéria, o que demonstra que a febre das trincheiras não se originou durante a Primeira Guerra Mundial, como se pensava.

    A 'Bartonella Quintana' é propagada para os seres humanos através dos piolhos do corpo ('Pediculus humanus corporis'), fazendo com que a má higiene pessoal seja um fator importante em sua propagação e taxa de infecção. Atualmente essa bactéria afeta principalmente pessoas que vivem nas ruas.

    Por sua vez, Davide Tanasi, coautor do estudo, considera que "quanto mais entendemos sobre o comportamento desta bactéria no passado, mais maneiras poderão ser projetadas para abordá-las, contê-las e eliminá-las no presente".

    Mais:

    100 milhões de anos: cientistas 'acordam' bactérias da época dos dinossauros
    Cientistas revelam 'arma secreta' das bactérias para infectar organismo humano
    Bactérias são capazes de viajar entre planetas, segundo experimento realizado na EEI
    Tags:
    descoberta, febre, bactérias, cientistas, estudos, estudo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar