08:12 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus e o mundo no início de novembro (39)
    0 60
    Nos siga no

    Médicos norte-americanos descobriram que alguns tipos de inflamação intestinal são ligados à mesma enzima que o novo coronavírus usa para penetrar nas células, enquanto a terapia medicamentosa contra doenças do intestino ajuda em alguns casos à recuperação da COVID-19

    A enzima conversora da angiotensina 2 (ECA2) tem expressão na maioria dos tecidos. Ela desempenha um papel importante na função cardiovascular, ativa a hormona que regula a pressão sanguínea e também participa da transportação de aminoácidos no intestino. Porém, durante a infecção por coronavírus esta enzima torna-se perigosa porque o vírus SARS-CoV-2 liga-se com ECA2 e utiliza-a para contaminação das células.

    Pesquisadores do Centro Médico Cedars-Sinai (Los Angeles) e de uma série dos outros centros médicos dos EUA realizaram uma pesquisa conjunta do comportamento de ECA2 em dois tipos da doença inflamatória intestinal (DII) – doença de Crohn e colite ulcerosa – para descobrir como a terapia medicamentosa contra doenças do intestino, visando a ECA2, atua sobre o novo coronavírus. Ambas estas doenças têm sintomas frequentemente característicos da COVID-19: inflamação do trato digestivo, diarreia, espasmos e perda de apetite. Resultados da pesquisa foram publicados na revista Gastroenterology.

    SARS-CoV-2 (imagem referencial)
    © Foto / Pixabay / Matryx
    SARS-CoV-2 (imagem referencial)

    "Escolhemos estas doenças porque COVID-19, conhecida por atacar os pulmões, também causa com frequência sintomas gastrointestinais", anuncia o chefe da pesquisa, professor Dermot McGovern, citado pelo comunicado do Centro Médico Cedars-Sinai. "Era muito importante para nós entender como a COVID-19 podia influenciar pacientes com doenças intestinais que tomassem medicamentos anti-inflamatórios. Além disso, surgem cada vez mais evidências de que o trato gastrointestinal pode servir de caminho alternativo ao SARS-CoV-2 para penetração no organismo."

    Descobriu-se que durante diferentes DII a enzima ECA2 se comporta de forma diferente. Tendo investigado anotações de quase mil doentes no Centro Cedars-Sinai, Universidade de Washington em Saint Louis e muitos outros centros em toda a América do Norte, os cientistas detectaram que durante a doença de Crohn os níveis da ECA2 descem no intestino delgado, enquanto durante a colite ulcerosa aumentam no intestino grosso. Mas em ambos os casos, tratando os pacientes com medicamentos anti-inflamatórios, como o Infliximabe, estes níveis conseguem-se normalizar.

    "Vimos que o efeito da ECA2 depende tanto da localização exata no trato gastrointestinal, como da doença específica. Esta enzima é como uma faca de dois gumes", diz McGovern.

    Autores referem o efeito paradoxal e contraditório da enzima ECA2 durante DII e COVID-19: por um lado, pessoas com uma expressão mais alta da ECA2 têm risco aumentado de infecção por SARS-CoV-2, por outro lado, a mesma enzima, produzida em grandes quantidades no intestino, ajuda-as a recuperar das consequências da doença com mais sucesso.

    "Esta enzima, provavelmente, possui funções anti-inflamatórias e antifibrosas, que vão ajudar alguns pacientes com COVID-19", adiciona o cientista.

    Os autores pensam que, de qualquer forma, faz todo o sentido prescrever aos pacientes com sintomas intestinais da COVID-19 medicamentos anti-inflamatórios habitualmente usados nas doenças intestinais.

    Tema:
    Coronavírus e o mundo no início de novembro (39)

    Mais:

    Mais de 3 vezes que o conhecido: paciente 'emitiu' coronavírus 70 dias após 1º teste, segundo estudo
    Dinamarca anuncia medidas de proteção contra mutação do novo coronavírus
    Reino Unido não considera casos de coronavírus em doninhas um risco
    Tags:
    doença, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar