04:22 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    As erupções ocorreram no sul do oceano Índico entre 122 milhões e 90 milhões de anos atrás, um período muito superior a máxima registrada até agora de duração de um a cinco milhões de anos.

    Um corredor de magma no subsolo da Terra de 122 milhões a 90 milhões de anos atrás foi o mais longo período de erupção de supervulcões já visto em nosso planeta, segundo estudo publicado na revista Geology.

    O fenômeno aconteceu no planalto de Kerguelen, um planalto quase três vezes maior que o Japão e situado agora sob o sul do oceano Índico, onde se acumulou uma grande quantidade de magma e lava, ou uma grande província ígnea (LIP, na sigla em inglês). O fluxo durou 32 milhões de anos, mesmo o período de fluxo durando normalmente de um a cinco milhões de anos.

    A equipe de pesquisadores dirigida por Qiang Jiang, da Universidade de Curtin, na Austrália, usou amostras de rochas negras basálticas retiradas do fundo do mar e aplicou um método de datação por isótopos de argônio para determinar a propagação e ascensão da LIP, que se assentava no que é conhecido como pluma de manto, criada pelo magma ascendente.

    Os cientistas avaliaram que o planalto de Kerguelen subiu anualmente cerca de 20 centímetros durante 30 anos, um fenômeno que o estudo sugere ocorrer devido a uma pluma de manto cujos cumes de propagação lenta canalizam o magma para cima.

    "O vulcanismo durou muito tempo, porque os magmas causados pela pluma do manto fluíam continuamente através das cristas do médio-oceano, que atuaram sucessivamente como um canal, ou como uma 'esteira transportadora de magma' por mais de 30 milhões de anos", explicou o geólogo Hugo Olierook, da Universidade de Curtin, em comunicado da instituição.

    Olierook explica que a pluma do manto assegura o derretimento do manto prolongado, ao contrário de outros vulcões, cujo magma eventualmente tem queda nas temperaturas e "entope" o resto do fluxo.

    "Encontrar esta longa e contínua atividade eruptiva é importante, porque nos ajuda a entender quais fatores podem controlar o início e o fim da atividade vulcânica. Isso tem implicações sobre como entendemos o magmatismo não só na Terra como também em outros planetas", aponta o geocronólogo Fred Jourdan, da Universidade Curtin, apesar dos pesquisadores continuarem não sabendo a razão pela qual a atividade vulcânica diminuiu há 90 milhões de anos.

    "Acumulações extremamente grandes de rochas vulcânicas – conhecidas como grandes províncias vulcânicas – são muito interessantes para os cientistas, devido a suas ligações com extinções em massa, distúrbios climáticos rápidos e formação de depósitos de minério", referiu Jiang.

    Mais:

    Vulcões das ilhas remotas de Galápagos ocultam segredo explosivo
    Placas tectônicas da Terra poderiam ter se formado em processo muito diferente do que se pensava
    Erupção de vulcão no Alasca teria provocado queda da República Romana antiga, diz estudo
    Tags:
    Oceano Índico, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar