00:54 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus e o mundo no início de novembro (39)
    0 10
    Nos siga no

    Lesões provocadas pelo coronavírus SARS-CoV-2 na anatomia dos pulmões seriam as responsáveis por sintomas da COVID-19 de longa duração, que pode permanecer no corpo durante meses.

    O dano pulmonar persistente e extenso foi descoberto em pessoas que morreram de COVID-19, de acordo com estudo realizado por um grupo internacional de pesquisadores e publicado na revista médica EBioMedicine. A descoberta poderia ajudar os médicos a entender melhor a presença da COVID-19 de longa duração, caracterizada pela presença dos sintomas da doença por um período de tempo prolongado.

    Durante o estudo, os cientistas analisaram amostras de pulmão, fígado e tecido renal de 41 pacientes que morrerem do coronavírus no Hospital Universitário de Trieste, na Itália, no início da pandemia, entre fevereiro e abril de 2020.

    Após as análises, os pesquisadores identificaram que 90% das pessoas estudadas demonstraram uma extensa coagulação do sangue nas artérias e veias de pulmões (trombose), bem como a presença de várias células de pulmões excepcionalmente grandes e com muitos núcleos, produto da fusão de diferentes células em uma única célula grande. Ambos os sintomas são característicos da COVID-19 em comparação a outras formas de pneumonia.

    Os cientistas não encontraram sinais da infecção viral ou inflamação prolongada em outros órgãos e identificaram "uma destruição realmente vasta da arquitetura dos pulmões", em que o tecido pulmonar saudável foi "quase completamente substituído pelo tecido cicatrizado", de acordo com coautor do estudo Mauro Giacca.

    Além disso, "os resultados indicam que COVID-19 não é simplesmente uma doença causada pela morte das células infectadas com o vírus, mas que provavelmente a existência dessas células anormais durante longos períodos dentro dos pulmões geram consequências mais dramáticas".

    Do mesmo modo, os autores descobriram que a presença de células infectadas com coronavírus é capaz de provocar sensíveis mudanças estruturais na anatomia pulmonar, que podem persistir durante várias semanas ou meses e poderiam explicar eventualmente a COVID-19 de longa duração.

    De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a pandemia do coronavírus agravou, alcançando um número de infecções superior a 3,3 milhões durante a semana passada, o que representa uma cifra recorde semanal de transmissão do vírus.

    Tema:
    Coronavírus e o mundo no início de novembro (39)

    Mais:

    Coronavírus é perigo ainda maior para o cérebro do que se pensava, dizem pesquisadores brasileiros
    Infectologista: COVID-19 reforça necessidade de vacinação contra outras doenças no Brasil
    Cientistas calculam taxa de letalidade real da COVID-19
    Revelada causa inesperada do crescimento de casos assintomáticos da COVID-19
    Brasil registra 179 mortes pela COVID-19 e total de óbitos chega a 160.253
    Tags:
    vírus, infecção, novo coronavírus, pandemia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar