18:22 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    Uma equipe de astrônomos europeus afirma ter encontrado uma classe extremamente rara de buraco negro, que ameaça minar a forma como os cientistas pensam que as galáxias evoluem ao longo do tempo.

    Uma equipe internacional de astrônomos identificou uma das raras classes conhecidas de galáxias emissoras raios gama, chamada BL Lacertae, de quando Universo ainda não tinha completado dois bilhões de anos. Nessa galáxia os cientistas encontraram um buraco negro supermassivo, do tipo que os astrônomos pensavam que envelhece com o tempo, mas descobriram que é muito jovem para essa hipótese fazer sentido. Os resultados foram publicados na terça-feira (27) na revista científica The Astrophysical Journal Letters.

    "Como a velocidade da luz é limitada, quanto mais longe olhamos, mais cedo na era do Universo investigamos", explica em comunicado reproduzido pelo portal Phys.org Alberto Domínguez, coautor do estudo.

    Os cientistas encontraram uma galáxia com um blazar (buraco negro supermassivo que expele jatos de radiação gama) em seu núcleo. É o blazar mais distante desta classe em particular já encontrado.

    Os astrônomos acreditam que a idade atual do Universo está em torno de 13,8 bilhões de anos e a equipe concluiu que eles estão vendo a galáxia como ela era quando o Universo tinha apenas 1,7 bilhão de anos.

    Novo mistério

    A teoria acerca do objeto BL Lacertae afirma que essas galáxias possuem rádio-quasares de espectro plano (FSRQs, na sigla em inglês) que envelhecem com o tempo. Mas este novo objeto BL Lacertae encontrado é muito mais jovem do que qualquer outro.

    Exemplo de imagem tirada em frequência de rádio da galáxia ativa BL Lacertae
    © Foto / Roscosmos
    Exemplo de imagem tirada em frequência de rádio da galáxia ativa BL Lacertae

    "Esta descoberta desafia o cenário atual de que os BL Lacs são, na verdade, uma fase evoluída do FSRQ", disse Nicolás Cardiel, coautor do estudo.

    "Esta descoberta desafiou nosso conhecimento da evolução cósmica de blazares e galáxias ativas em geral", complementou Gallego, coautor do estudo.

    Mais:

    Astrônomos registram pela 1ª vez buraco negro supermassivo 'espaguetificar' estrela (VÍDEO)
    Buraco negro mais próximo da Terra pode afinal não existir, indicam estudos
    Qual a velocidade de rotação do buraco negro no centro de nossa galáxia?
    Estudo sugere 'aplicação' inesperada para buracos negros
    Tags:
    galáxia, Universo, buraco negro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar