08:51 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 21
    Nos siga no

    Um novo gênero e uma nova espécie de pterossauro dsungaripterídeo, que viveu durante o Cretáceo Inferior, foram catalogados na China após análise de uma mandíbula inferior incompleta.

    Pterossauros eram répteis voadores que viveram simultaneamente com os dinossauros entre 210 milhões e 65 milhões de anos atrás. Eles foram os primeiros voadores vertebrados da Terra, tendo pássaros e morcegos surgido mais tarde.

    Algumas das famílias de pterossauros, tais como Azhdarchidae, correspondem aos maiores animais voadores de todos os tempos, com uma envergadura superior a nove metros e uma altura comparável à de girafas modernas.

    A espécie recém-descoberta, denominada Ordosipterus planignathus, viveu entre 120 milhões e 110 milhões de anos atrás, durante o período Cretáceo, revela portal Sci-News.

    Fragmentos de mandíbula inferior de Ordosipterus planignathus
    Fragmentos de mandíbula inferior de Ordosipterus planignathus

    Este réptil voador pertence à família de pterossauros robustos, Dsungaripteridae, que inclui vários gêneros e espécies da Ásia e América do Sul. Os fragmentos fossilizados do réptil pré-histórico foram encontrados na região chinesa da Mongólia Interior.

    "O espécime consiste em uma parte dianteira da mandíbula inferior articulada com um fragmento de dente", afirmou a doutora Shu-na Ji, paleontóloga do Instituto de Geologia da Academia de Ciências Geológicas da China.

    "Este fóssil reforça mais ainda a ideia de que o norte da China e da Mongólia pertencem a um habitat biogeográfico único dos dinossauros endêmicos", afirmou.

    Mais:

    Pegadas de dinossauros de 130 milhões de anos são descobertas na China (FOTOS, VÍDEO)
    Esqueleto de dinossauro de 69 milhões de anos é descoberto no Canadá (FOTO)
    Impressionantes pegadas de dinossauro bípede são encontradas na Patagônia (FOTO, VÍDEO)
    Tags:
    descoberta, China, fósseis, dinossauro, réptil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar