05:38 11 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    120
    Nos siga no

    Camada de gelo de 800 anos derrete e permite pesquisadores encontrarem vestígios da presença de pinguins-de-adélia em região da Antártica de mais de cinco mil anos.

    A fantástica descoberta foi realizada no Cabo Irizar, onde fica uma parte da Antártica não conhecida por visita de colônias de pinguins. Além disso, uma equipe de pesquisadores, liderada por Steven Emslie da Universidade da Carolina do Norte (EUA), encontrou uma mistura de filhotes de pinguins mumificados e restos mortais dos mesmos aparentemente mortos há pouco tempo no local.

    Encontrados restos de pinguins mumificados na Antártica
    Encontrados restos de pinguins mumificados na Antártica

    Foram também descobertos ossos, penas, materiais fecais e outras evidências entre as rochas – todos sinais da presença de ninhos de pinguins.

    A datação por radiocarbono revelou também aparentes restos mais recentes, de centenas de anos, uma vez que três diferentes áreas na região foram usadas por pinguins entre cinco mil e 800 anos atrás.

    "Os restos mortais frescos na superfície se pareciam com uma colônia moderna. Porém, não foram registrados em momentos históricos pinguins se reproduzindo lá", afirmou o pesquisador Emslie ao apresentar os resultados da expedição de setembro no jornal Geology.

    Pinguins-de-adélia são a espécie mais presente ao sul do planeta, encontrados em grandes números ao longo da costa da Antártica. Contudo, sem que houvesse registros de sua presença nessa parte do continente congelado, pesquisadores se surpreenderam com a quantidade encontrada.

    O pesquisador, com extensa experiência em Paleoecologia (estudo sobre como organismos interagem com o meio ambiente), diz nunca ter visto algo assim. "Nos três anos em que fiz este trabalho na Antártica, nunca vi um local como este", afirmou.

    De acordo com os pesquisadores, a colônia de pinguins permaneceu escondida sob uma camada de gelo e neve desde a Pequena Era do Gelo, aproximadamente 800 anos atrás.

    Um iceberg no mar de Lazarev ao largo da costa da Antártica.
    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Um iceberg no mar de Lazarev ao largo da costa da Antártica.

    Devido ao aquecimento global, esta camada lentamente começou a desaparecer, revelando o "cemitério" de pinguins durante o verão.

    "Falamos sobre 'ganhadores e perdedores' da mudança climática. Pinguins-de-adélia estão na posição única de serem ambos. Enquanto observamos seu declínio na península antártica, eles estão se difundindo ou permanecendo estáveis no leste da Antártica e mar de Ross", salientou Emslie.

    Ainda que estas peculiares aves tenham migrado dentro da Antártica por milênios, o pesquisador afirma que seus habitats estão mudando rapidamente.

    Mais:

    Canais nas profundezas do mar são encontrados debaixo de geleira na Antártica
    Estudo descobre que vertebrado na Antártica hibernava há 250 milhões de anos (FOTO)
    Peixe de águas subterrâneas encontrado na Índia é 'fóssil vivo' (FOTO)
    Tags:
    restos mortais, ciência, pesquisa, Antártica, Aquecimento global, pinguim
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar