15:36 29 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 170
    Nos siga no

    Cientistas sintetizam novo material supercondutor, desenvolvendo um processo para "quebrar barreiras e abrir porta para a aplicações potenciais".

    Cientistas norte-americanos criaram o primeiro material elétrico supercondutor à temperatura ambiente de 14 ºC, através da compressão de sólidos moleculares simples com hidrogênio, de acordo com um comunicado de imprensa da Universidade de Rochester, EUA.

    A supercondutividade permite a certos materiais sob condições específicas conduzir corrente elétrica sem resistência ou perda de energia.

    A equipe de Ranga Dias, professor assistente de engenharia mecânica, física e astronomia, combinou hidrogênio com carbono e enxofre para sintetizar fotoquimicamente o hidreto de enxofre carbônico em uma célula de bigorna de diamante, um dispositivo de pesquisa usado para examinar quantidades minúsculas de materiais a pressões extraordinariamente altas.

    Ímã sobre supercondutor resfriado por nitrogênio líquido
    Ímã sobre supercondutor resfriado por nitrogênio líquido

    O hidreto de enxofre resultante demonstrou supercondutividade a cerca de 14 ºC, batendo a supercondutividade de -23 ºC a -13 ºC, registrada em 2019, e uma pressão de cerca de 6,83 bilhões de newtons por metro, segundo o estudo publicado na revista Nature. Em comparação, a pressão atmosférica da Terra ao nível do mar é de cerca de 2.727 newtons por metro.

    Na opinião de Dias, a criação de materiais supercondutores, sem resistência elétrica e expulsão do campo magnético à temperatura ambiente, representa um "Santo Graal" para a física de matéria condensada, procurado desde 1911, afirmando que tais materiais "podem definitivamente mudar o mundo como o conhecemos".

    "Você nunca mais vai precisar de coisas como baterias", diz Ashkan Salamat, da Universidade de Nevada, Las Vegas, EUA, coautor da descoberta.

    A propriedade supercondutora já é usada em trens maglev (de levitação magnética), máquinas de ressonância magnética e de ressonância magnética nuclear, aceleradores de partículas e outras tecnologias avançadas, incluindo os primeiros supercomputadores quânticos.

    "Devido aos limites da baixa temperatura, materiais com propriedades tão extraordinárias não transformaram o mundo da maneira que muitos haviam imaginado. No entanto, nossa descoberta quebrará essas barreiras e abrirá as portas para muitas aplicações potenciais", relatou Ranga Dias.

    Os benefícios previstos por este avanço incluem:

    • Redes de energia que transmitem eletricidade sem perda de até 200 milhões de megawatts/hora da energia que agora ocorre devido à resistência nos fios;
    • Uma nova maneira de impulsionar trens de levitação magnética e outras formas de transporte;
    • Técnicas de visualização e varredura médicas, tais como imagem por ressonância magnética e magnetocardiografia;
    • Eletrônica mais rápida e eficiente para lógica digital e tecnologia de dispositivos de memória.

    O próximo desafio, segundo Dias, é criar estes materiais com temperaturas semelhantes, mas com pressões inferiores, o que permitiria tornar econômico produzi-los em grandes quantidades.

    Mais:

    Astrônomos resolvem quebra-cabeça envolvendo galáxia composta supostamente por 99% de matéria escura
    Prêmio Nobel de Química entregue a duas cientistas por desenvolvimento de método de edição de genoma
    Vestígios raros de tiranossauro bebê são identificados por cientistas (FOTO)
    O que devemos saber sobre buracos negros para entender o Prêmio Nobel de Física 2020?
    Tags:
    elétrico, supercondutores, temperatura, material, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar