04:18 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo enfrenta COVID-19 em meados de outubro (63)
    0 50
    Nos siga no

    Indivíduos infectados pela COVID-19 produzem anticorpos de "alta qualidade" contra o coronavírus por cinco a sete meses após obter a doença, segundo estudo.

    Pesquisadores do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade de Arizona, EUA, estudaram a produção de anticorpos entre quase seis mil pessoas, que se recuperaram da doença respiratória, e descobriram que "a imunidade persiste por pelo menos vários meses após se infectar pelo SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19", disse um comunicado da universidade na segunda-feira (12).

    Os 5.882 voluntários que participaram da pesquisa, publicada na terça-feira (13) na revista Immunity, foram submetidos a testes de anticorpos usando um teste de sangue desenvolvido pela instituição a partir de 30 de abril.

    Os resultados sugerem que as pessoas que contraem o coronavírus podem potencialmente desenvolver uma imunidade duradoura a ele posteriormente.

    "Vemos claramente que anticorpos de alta qualidade ainda estão sendo produzidos cinco a sete meses após a infecção pelo SARS-CoV-2", disse o pesquisador líder Deepta Bhattacharya, professor do Departamento de Imunobiologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Arizona – Tucson, informou a agência United Press International.

    "Têm sido expressas muitas preocupações sobre a imunidade contra a COVID-19 não durar. Utilizamos este estudo para investigar essa questão e descobrimos que a imunidade é estável por pelo menos cinco meses."

    Síntese de nanopartículas de ouro, usadas como marcador para detectar anticorpos de coronavírus, no Instituto de Medicina e Biologia Fundamental da Universidade Federal de Kazan, Rússia
    © Sputnik / Maksim Bogodvid
    Síntese de nanopartículas de ouro para detectar anticorpos do SARS-CoV-2

    Os pesquisadores descobriram que os anticorpos do SARS-CoV-2 estão presentes no sangue dos pacientes em níveis viáveis por pelo menos cinco a sete meses após a infecção, embora eles acreditem que a imunidade dura muito mais tempo.

    "Quando um vírus infecta células pela primeira vez, o sistema imunológico implanta células plasmáticas de curta duração que produzem anticorpos para combater imediatamente o vírus", observou a declaração universitária.

    "Esses anticorpos aparecem em testes de sangue em um espaço de 14 dias após a infecção. O segundo estágio da resposta imunológica é a criação de plasmócitos de vida longa, que produzem anticorpos de alta qualidade e proporcionadores de imunidade duradoura".

    Ciência dos anticorpos

    De acordo com os cientistas, o estudo serviu para defender a existência de anticorpos viáveis para se proteger contra a doença.

    "Dito isto, sabemos que as pessoas que foram infectadas pelo primeiro coronavírus SARS, que é o vírus mais semelhante ao SARS-CoV-2, ainda estão recebendo imunidade 17 anos após a infecção", disse o coautor do estudo, dr. Michael Dake, vice-presidente sênior da Universidade de Ciências da Saúde do Arizona, informou a agência United Press International.

    "Se o SARS-CoV-2 for algo parecido com o primeiro, esperamos que os anticorpos durem pelo menos dois anos, e seria improvável que durassem muito menos."

    Na opinião de Bhattacharya e seus colegas, estudos anteriores avaliaram a produção de anticorpos no momento da infecção e sugeriram que os níveis de anticorpos caem rapidamente após a luta de um paciente com o coronavírus, fornecendo apenas imunidade a curto prazo.

    No entanto, essas descobertas podem ter sido baseadas apenas em níveis de plasmócitos de curta duração, desconsiderando os efeitos dos plasmócitos de longa duração e os anticorpos de alta afinidade que eles produzem.

    "A questão de os anticorpos proporcionarem proteção duradoura contra o SARS-CoV-2 tem sido uma das mais difíceis de responder", observou Dake.

    "Esta pesquisa não só nos deu a capacidade de testar com precisão os anticorpos contra a COVID-19, mas também nos armou com o conhecimento de que a imunidade duradoura é uma realidade", conclui.

    Tema:
    Mundo enfrenta COVID-19 em meados de outubro (63)

    Mais:

    Anticorpos da COVID-19 foram identificados em moradora do Espírito Santo em 11 de fevereiro
    Imunidade de rebanho seria miragem, opinam cientistas ao ver anticorpos desaparecendo em pacientes
    Agência de saúde dos EUA: 50% dos testes de anticorpos para coronavírus podem ser falsos positivos
    Tags:
    United Press International, EUA, Arizona, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar