01:36 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Mundo enfrenta COVID-19 em meados de outubro (78)
    170
    Nos siga no

    Na primeira etapa da pandemia, os cientistas só dispunham de imagens de baixa resolução, mas hoje já não é assim.

    Ao longo dos últimos meses, diversas equipes obtiveram imagens que tiveram um papel importante na compreensão da interação do vírus com as células humanas, o que é um marco importante para criar uma vacina, informa o The New York Times.

    Representação artística sobreposta sobre uma imagem de diversos vírus SARS-CoV-2
    Representação artística sobreposta sobre uma imagem de diversos vírus SARS-CoV-2

    Em fevereiro, nas primeiras etapas, as melhores fotografias que alguém havia registrado eram imagens de baixa resolução, onde o vírus parecia apenas uma mancha pouco perceptível.

    O doutor Sai Li, biólogo estrutural da Universidade de Tsinghua de Pequim, foi um dos primeiros a registrar fotos detalhadas do coronavírus e de sua interação com as células humanas.

    Imagem de uma criotomografia eletrônica SARS-CoV-2, em cinza, com uma representação artística de um vírus
    Imagem de uma criotomografia eletrônica SARS-CoV-2, em cinza, com uma representação artística de um vírus

    Li colaborou com uma equipe de virologistas chineses que trabalhavam com o vírus em um laboratório de biossegurança na cidade de Hangzhou, tratando-o com uma substância química para o tornar inofensivo, enviando-o depois para Sai Li em uma amostra líquida.

    O cientista e sua equipe concentraram o líquido carregado de vírus de um litro para apenas uma gota, que foi congelada em uma fração de segundo e logo observada através de um microscópio crioeletrônico.

    Acoplador para um receptor ACE2, em amarelo, permite que o cornavírus ingresse nas células humanas
    Acoplador para um receptor ACE2, em amarelo, permite que o cornavírus ingresse nas células humanas

    "Vi uma tela cheia de vírus [...] Pensei que era o primeiro no mundo a ver o vírus em alta resolução", contou Li.

    Durante as semanas seguintes, o doutor Li e sua equipe estudaram as imagens registradas do coronavírus, inspecionando as proteínas de sua superfície e as que estavam em seu núcleo, enroladas com os genes.

    Um modelo de átomo por átomo do coronavírus
    Um modelo de átomo por átomo do coronavírus

    Atualmente, os pesquisadores estão usando supercomputadores para criar vírus virtuais completos, que esperam usar para compreender como os vírus reais se propagaram com uma facilidade tão devastadora.

    Assim, a equipe de Rommie Amaro, bióloga computacional da Universidade da Califórnia em San Diego, criou modelos átomo por átomo do coronavírus e de sua proteína pico.

    Peplômeros (à esquerda) e uma camada protetora de açúcar (à direita)
    Peplômeros (à esquerda) e uma camada protetora de açúcar (à direita)

    As pesquisas têm ajudado os cientistas em todo o mundo a conhecer o SARS-CoV-2 detalhadamente, descobrindo como algumas de suas proteínas são utilizadas para se introduzir nas células e como seus genes dominaram nossa bioquímica e abriram o caminho para a vacina que poderá combatê-lo.

    Tema:
    Mundo enfrenta COVID-19 em meados de outubro (78)

    Mais:

    Apesar da COVID-19, Coreia do Norte programa desfile militar comemorativo neste sábado
    Toronto, no Canadá, fecha bares e restaurantes e se prepara para a 2ª onda de COVID-19
    Argentina se torna o 6º país em número de contágios de COVID-19 no mundo
    Tags:
    imagens, estudo, cientistas, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar