02:49 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1221
    Nos siga no

    Peter Back, diretor da empresa aeroespacial privada Rocket Lab, disse em uma entrevista à CNN que já se nota o efeito do congestionamento do espaço sideral.

    Ele considera que os foguetes portadores "têm que abrir caminho" entre as constelações de satélites que já estão presentes na órbita, algo que influencia o processo de lançamento.

    Como recente exemplo, Peter Back refere o programa Starlink da Spacex, que tem por objetivo ter entre 12.000 a 40.000 satélites, ou seja, cinco vezes mais do que todos os satélites lançados desde o início da exploração espacial.

    Especialistas internacionais e a NASA apontam que as áreas mais congestionadas do espaço cósmico se localizam a uma altitude entre 700 e 1.000 km.

    Satélite em órbita terrestre
    © Fotolia / Andrei Armyagov
    Satélite em órbita terrestre

    Embora as constelações da Spacex orbitem a altitudes mais baixas, Moriba Jah especialista em tráfego espacial e astrodinâmica da Universidade do Texas em Austin, salienta que os satélites Starlink também estão em risco de colisão.

    Outro problema são as grandes quantidades de lixo espacial, impossíveis de eliminar, e que só deixam de ser um obstáculo quando saem de órbita, um processo que leva o seu tempo.

    Em 1978, o cientista da NASA Donald Kessler advertiu sobre uma possível catástrofe no espaço. Hoje conhecida como "síndrome de Kessler", a teoria postula que algum dia a órbita da Terra chegaria a estar tão cheia e poluída com satélites ativos e detritos espaciais que poderia dificultar, ou mesmo impossibilitar, as futuras explorações do espaço.

    Mais:

    SpaceX lança ao espaço foguete Falcon 9 com dez satélites (VÍDEO)
    Elon Musk publica novo VÍDEO do lançamento do Falcon Heavy
    VÍDEO exibe foguete Falcon 9 retornando à Terra e criando dupla barreira sônica
    Tags:
    NASA, Terra, SpaceX, sistema de satélites, foguete, espaço, órbita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar