09:33 27 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    COVID-19 no mundo no início de outubro (66)
    0 30
    Nos siga no

    De acordo com estudos realizados por equipe de pesquisadores, pessoas com olfato comprometido têm maior probabilidade de estar infectadas pelo novo coronavírus.

    Cientistas italianos desenvolveram um novo teste que pode detectar odor alterado, um dos sintomas do coronavírus, em dois minutos, informa o portal Adnkronos.

    "O novo teste rápido 'made in Italy' nos permite estabelecer em apenas dois minutos, se o paciente for capaz de perceber odores e, portanto, avaliar o grau de alteração do olfato", diz a mídia.

    O teste foi realizado em 100 pacientes com formas graves da COVID-19, 50 pessoas saudáveis e 20 pacientes que tinham problemas de odor, mas não tinham a doença.

    Segundo Andrea Mazzatenta, um dos membros da equipe científica, "descobrimos que aqueles com pior capacidade olfativa também sofrem de uma forma mais agressiva do vírus".

    "As pessoas infectadas pela COVID-19 relatam que também perdem o paladar, mas isso não está claro [...]. O que elas não sentem são os sabores, porque a percepção dos sabores envolve não apenas o paladar, mas também o olfato. É a alteração do olfato que 'apaga' o paladar", disse o cientista.

    O teste criado prevê o uso de um aplicativo gratuito para celulares e tablets que permite que o teste seja realizado corretamente e confirme o resultado em tempo real.

    Anteriormente, um estudo publicado na última quinta-feira (1º) revelou que a perda desse sentido básico era um dos sintomas-chave da existência do SARS-CoV-2 no corpo de uma pessoa.

    Tema:
    COVID-19 no mundo no início de outubro (66)

    Mais:

    Caso raro: líquido cerebral de mulher vaza durante teste para COVID-19, diz estudo
    Cientistas testam medicamento para azia no tratamento de casos leves da COVID-19
    COVID-19 também afeta o cérebro: quais são as consequências?
    Coronavírus pode afetar e se multiplicar nos neurônios, diz estudo da Unicamp
    Tontura, febre alta e enjoo: jornalista da Sputnik conta como sobreviveu ao coronavírus
    Tags:
    COVID-19, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar