18:59 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 240
    Nos siga no

    Cientistas usaram lentes gravitacionais para detectar "planeta invasor" que não orbita uma estrela e flutua livremente no espaço. É possível que a Via Láctea seja o lar de trilhões de planetas desse tipo.

    Astrônomos detectaram um planeta à deriva, que não orbita qualquer estrela. O planeta é relativamente pequeno, de forma que os cientistas ainda não foram capazes de calcular a que distância esse planeta está da Terra. A descoberta foi publicada no portal de pré-impressão arXiv recentemente e ainda não foi analisada por outros cientistas.

    Denominado OGLE-2016-BLG-1928, o planeta pode ter entre 0,3 e um a massa da Terra, mas os pesquisadores acreditam que o planeta tem aproximadamente a massa do nosso planeta.

    Oficialmente existem 17 planetas errantes e outros quatro, incluindo o OGLE-2016-BLG-1928, aguardam confirmação. Ainda assim, os cientistas defendem que há inúmeros planetas à deriva na nossa galáxia, sem estrelas para orbitar, o que os tornam frígidos e hostis.

    Visto por 40 minutos

    Os cientistas em busca desses planetas errantes usam a distorção da luz no espaço-tempo, um efeito conhecido como microlente gravitacional, que produz a ilusão de aumentar ou aproximar objetos distantes.

    Como OGLE-2016-BLG-1928 é relativamente pequeno, isso significa que não foi possível estabelecer detalhes específicos sobre o planeta, incluindo sua distância da Terra. Os pesquisadores relataram que ele ficou visível por pouco mais de 40 minutos.

    Mais:

    Planeta pi: descoberto exoplaneta do tamanho da Terra com órbita de 3,14 dias
    'Planeta de cores': sonda captura imagens extremamente coloridas de ciclones em Júpiter (FOTO)
    Astrônomos podem ter encontrado 1º planeta fora da Via Láctea
    Astrônomos encontram planetas que podem ter melhores condições para a vida do que a Terra
    Tags:
    Via Láctea, Terra, Sol, planeta, exoplaneta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar