00:54 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 40
    Nos siga no

    Espetáculo, que foi observado pelo telescópio que já está em operação a mais de 30 anos, pode ajudar a medir a taxa de expansão do Universo.

    Com o auxílio do telescópio espacial Hubble, da agência espacial norte-americana NASA e da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), astrônomos rastrearam a luz fraca de uma supernova em NGC 2525, uma galáxia espiral barrada localizada a aproximadamente 70 milhões de anos-luz de distância da Terra, na constelação Puppis, no hemisfério celestial sul.

    O impressionante vídeo registrou o evento que durou cerca de um ano, de fevereiro de 2018 a fevereiro de 2019, e mostra a estrela como uma das mais brilhantes até seu desaparecimento.

    "Nenhuma exibição de fogos de artifício na Terra pode competir com esta supernova, capturada em sua glória decadente pelo Hubble", afirmou em comunicado Adam Riess, ganhador do Nobel e pesquisador do Instituto de Ciências e Telescópios do Espaço.

    Essa supernova em NGC 2525 foi denominada SN 2018gv e é da categoria tipo Ia. Supernovas desse grupo se originam de uma anã branca em um sistema binário próximo, acumulando material de sua estrela companheira. As supernovas do tipo Ia atingem um brilho máximo de cinco bilhões de vezes mais brilhante do que o nosso Sol antes de desaparecer com o tempo.

    Hubble capturou essas imagens como parte da pesquisa para medir a taxa de expansão do Universo, que pode ajudar a responder a questões fundamentais sobre a própria natureza do nosso Universo.

    Mais:

    Hubble faz deslumbrante FOTO de milhares de estrelas em galáxia distante
    Hubble indica que há importante 'ingrediente' faltando na matéria escura
    Telescópio Hubble revela Júpiter se preparando para mudar de cor (VÍDEO)
    De 30 variantes, Hubble constrói FOTO deslumbrante de galáxia espiral a 55 milhões de anos-luz
    Tags:
    Agência Espacial Europeia (ESA), Hubble, supernova, Universo, NASA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar