05:58 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    480
    Nos siga no

    Especialistas em buracos negros afirmam que esses monstros supermassivos podem, na verdade, ser buracos de minhoca disfarçados.

    Flashes de raios gama podem revelar que buracos negros gigantes são, na verdade, buracos de minhoca enormes, descobriu um novo estudo liderado por Mikhail Piotrovich, astrofísico do Observatório Astronômico Central, em São Petersburgo, Rússia, e publicado na revista científica Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

    "O que mais me surpreende é que ninguém propôs essa ideia antes, porque é bastante simples", afirma Piotrovich ao portal Space.com.

    Buracos de minhoca

    Os buracos de minhoca são túneis no espaço-tempo que podem teoricamente permitir viajar para qualquer lugar no espaço e no tempo, ou mesmo para outro Universo. A teoria da relatividade geral de Albert Einstein sugere que os buracos de minhoca são possíveis, embora não há provas de que eles realmente existam.

    De muitas maneiras, os buracos de minhoca se parecem com buracos negros. Ambos são extremamente densos e possuem atração gravitacional extraordinariamente forte. A principal diferença é que, teoricamente, nenhum objeto pode voltar depois de cruzar o horizonte de eventos de um buraco negro, enquanto qualquer corpo que entra em um buraco de minhoca poderia teoricamente reverter o curso.

    Buraco de minhoca
    © CC0 / Pixabay
    Buraco de minhoca

    Nova teoria

    Se qualquer coisa que entra por uma boca de um buraco de minhoca sai pela outra boca, os cientistas concluíram que isso significa que a matéria que entra em uma boca pode potencialmente colidir com a matéria que entra na outra boca do buraco de minhoca ao mesmo tempo, um tipo de evento que nunca aconteceria com um buraco negro.

    Os cientistas então modelaram as consequências da matéria fluindo por ambas as bocas para onde essas bocas se encontram, a "garganta" do buraco de minhoca. O resultado dessas colisões são esferas de plasma que se expandem para fora de ambas as bocas do buraco de minhoca quase na velocidade da luz, afirmaram os pesquisadores.

    A partir desses experimentos, os cientistas compararam as explosões simuladas com as de eventos existentes, como núcleos galácticos ativos (AGNs, na sigla em inglês), buracos negros capazes de expelir mais radiação do que a encontrada na Via Láctea, tipicamente rodeados por anéis de plasma.

    Buracos negros supermassivos, o maior tipo de buraco negro, são normalmente encontrados no centro de grandes galáxias.
    © flickr.com / Phil Plait
    Buracos negros supermassivos, o maior tipo de buraco negro, são normalmente encontrados no centro de grandes galáxias.

    Resultados

    Nos modelos de buracos de minhoca, as esferas de plasma atingiram temperaturas próximas a 10 trilhões ºC. Nessas temperaturas, o plasma produziria raios gama com energias de 68 milhões de elétron-volts.

    Em contrate, "os discos de acreção de AGNs não emitem radiação gama, porque sua temperatura é muito baixa para isso", explica Piotrovich. Dessa forma, os pesquisadores concluíram que isso pode significar que um AGN pode realmente ser um buraco de minhoca.

    Mais:

    Telescópio revela campo magnético mais forte já detectado no Universo
    Buracos negros de tamanho de '100 bilhões de sóis' poderiam resolver mistério de Universo
    Sonificação do Universo: NASA 'traduz' imagens de telescópios da Via Láctea para sons (VÍDEO)
    'Júpiter ultraquente': astrônomos encontram um dos exoplanetas mais extremos do Universo (FOTO)
    Tags:
    Via Láctea, Universo, buraco negro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar