05:46 25 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    6440
    Nos siga no

    Cientistas russos foram os primeiros a encontrar um antibiótico natural universal capaz de superar a resistência de patógenos a medicamentos.

    De acordo com os autores do estudo, publicado pela revista Applied Biochemistry and Microbiology, a substância descoberta ajudará eficazmente no combate às doenças mais infecciosas causadas por bactérias e fungos em humanos e animais.

    Cientistas da Universidade Estatal de Tyumen afirmaram que uma das tarefas da farmacologia é buscar antibióticos naturais capazes de combater microrganismos resistentes a múltiplos medicamentos (MDR, na sigla em inglês) ou extremamente resistentes a medicamentos (XDR, na sigla em inglês).

    Eles foram os primeiros a demonstrar a capacidade do peptídeo de emericillipsin A quando isolado dos fungos miceliais de emericillipsin alcalina. Isso porque a substância inibe a capacidade da bactéria de formar biofilmes, que é um dos principais fatores de sua resistência a antibióticos.

    a bactéria E. coli (imagem referencial)
    © flickr.com / VeeDunn
    a bactéria E. coli (imagem referencial)

    A principal característica terapêutica da substância é um efeito universal, explicam os cientistas, ressaltando que não apenas as bactérias MDR (resistentes a múltiplos medicamentos) e XDR (extensivamente resistentes a medicamentos), como também quase todos os eucariotos patogênicos são vulneráveis a emericillipsin A.

    "Emericillipsin A afeta os eucariotos e procariotos através de diversos mecanismos moleculares. Os eucariotos, que são fungos e células tumorais, morrem, pois o peptídeo destrói sua membrana celular, enquanto o procarioto virulento é destruído para prevenir a formação de biofilme", afirmou Yevgeny Rogozhin, pesquisador do Laboratório de Resistência Antimicrobiana X-BIO da Universidade Estatal de Tyumen.

    A descoberta vai ajudar a combater diferentes patógenos, incluindo tumores, bem como todos os tipos de infecções causadas por bactérias e fungos.

    A terapia pode ser realizada através de injeção ou por uso tópico, tratando diretamente o tecido afetado.

    O próximo passo dos cientistas será trabalhar com modelos celulares, realizando testes laboratoriais do medicamento.

    Mais:

    Secretário da Saúde da Bahia ressalta eficácia de tecnologia da vacina russa Sputnik V
    Sputnik V: 50 países têm interesse na aquisição da vacina russa contra o coronavírus
    Estados brasileiros se manifestam sobre possibilidade de compra de vacina russa
    Tags:
    cientistas, estudos, estudo, Rússia, remédios, remédio, medicamentos, medicamento
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar