09:04 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 50
    Nos siga no

    Milhões de aves, que teriam sido utilizadas como oferenda aos deuses Hórus, Rá ou Thoth foram encontradas por uma equipe de arqueólogos no Egito.

    Os arqueólogos da Universidade Claude Bernard Lyon estavam trabalhando nas escavações de uma necrópole do Vale do Nilo, quando encontraram milhões de aves selvagens sacrificadas aos deuses egípcios, provavelmente datadas do período entre 650 a.C. e 250 a.C.

    As escavações no local ocorreram em novembro de 2019, tendo os cientistas iniciado posteriormente o estudo dos achados. A investigação foi publicada esta terça-feira (22) na revista Scientific Reports.

    ​Pássaros selvagens oferecidos aos deuses egípcios.

    De acordo com os especialistas, as aves de rapina teriam sido utilizadas como oferenda para os deuses egípcios Hórus, Rá ou Thoth.

    Até o momento, não se sabe se as aves foram criadas para serem sacrificadas ou foram caçadas. Os arqueólogos trabalham igualmente para descobrir a origem dos animais mumificados.

    ​Pássaros selvagens oferecidos aos deuses egípcios.

    Análises realizadas às penas das aves e a algumas amostras dos tecidos indicam que a alimentação dos pássaros não era homogênea, o que pode indicar que eles não foram criados em cativeiro, mas sim caçados.

    Quanto aos sacrifícios, sabe-se que naquela época diversas espécies de répteis, aves ou mamíferos eram mortas para homenagear os deuses. Esta prática contribuiu significativamente para a economia do Império Antigo (3º milênio a.C.) e do Egito Romano (séculos I-III d.C.).

    Mais:

    Arqueólogos acham no Egito 11 crocodilos de 2.000 anos que seriam oferenda a divindade (FOTO)
    Cientistas usam raios X para descobrir destino de múmias de animais do Egito (FOTOS)
    Ferramentas mais antigas que as Pirâmides do Egito são descobertas na Turquia (FOTO)
    Tags:
    estudos, estudo, arqueólogos, arqueólogo, arqueologia, Egito, pássaros, aves
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar