02:36 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de setembro (48)
    354
    Nos siga no

    O estudo da vacina contra COVID-19 da Universidade de Oxford foi pausado nesta terça-feira (8) após uma suspeita de reação adversa séria em um participante do estudo.

    Um porta-voz da AstraZeneca, empresa farmacêutica responsável pela vacina, disse para uma publicação do site Stat, veículo especializado em saúde e tecnologia, que o caso ocorreu com um voluntário no Reino Unido, e acrescentou que vai interromper os testes do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford em todo o mundo, incluindo no Brasil.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o médico epidemiologista Guilherme Werneck, professor do Instituto de Medicina Social da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), explicou que interrupções em processos de testagem de vacinas é algo normal e até já previsto.

    "Interrupções como a da vacina de Oxford são interrupções que já são previstas no protocolo de testagem de vacinas. Ou seja, toda vez que se observa um evento adverso inesperado e relativamente grave é necessário que seja interrompido a testagem para se avaliar até que ponto esse efeito tem relação direta com a vacina. É um processo que já é previsto no protocolo de vacinação", afirmou.

    A AstraZeneca disse que está trabalhando para revisar o evento encontrado e minimizar qualquer possível impacto no cronograma. Guilherme Werneck disse que normalmente questões sobre efeitos colaterais em vacinas são resolvidas rapidamente.

    "Em algum sentido isso levanta uma dúvida se esse tipo de efeito colateral está relacionado à vacina, mas eu diria que não temos até o momento uma previsão muito clara sobre o tempo que vai ser necessário para o esclarecimento desse problema. Em princípio essas questões são resolvidas rapidamente", disse.

    Guilherme Werneck ainda lembrou que o efeito colateral encontrado pode não ter relação direta com a vacina.

    "Se o efeito colateral não for comprovadamente relacionado à vacina, então os testes iriam ser retomados e o cronograma inicial teria um atraso muito pequeno. De forma que, se a vacina realmente se mostrar eficaz, é possível que ainda no primeiro semestre de 2021 essa vacina venha a ser aprovada e comece então a ser utilizada nos diferentes países, inclusive no Brasil", completou.

    O Brasil participa dos testes da vacina da AstraZeneca através de parceria com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de setembro (48)

    Mais:

    Em janeiro a gente começa a vacinar todo mundo, diz Pazuello ao ser indagado por blogueira mirim
    Estudo de vacina de Oxford contra COVID-19 é pausado após possível reação adversa
    Caso da vacina da AstraZeneca mostra que são necessárias várias vacinas contra COVID-19, diz Peskov
    OMS elogia protocolo de segurança dos desenvolvedores da vacina de Oxford
    Tags:
    novo coronavírus, Universidade de Oxford, vacinação, vacina, Brasil, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar