00:33 01 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1140
    Nos siga no

    Cientistas americanos detectaram as regiões de DNA responsáveis ​​pelo controle da regeneração de tecidos, o que permite uma compreensão maior dos mecanismos que permitem a reconstituição de animais.

    Uma equipe de cientistas de várias universidades norte-americanas localizou fragmentos de DNA responsáveis por ativar genes que ajudam alguns animais a restaurar seus membros, nadadeiras e outros tecidos. Os resultados foram publicados na revista científica Science.

    Os autores analisaram o peixe-zebra (danio rerio) e o killifish turquesa (nothobranchius furzeri), que possuem a capacidade de regenerar as nadadeiras caudais, e identificaram os genes que estavam ativos no tecido regenerativo.

    A equipe observou que há pouca sobreposição dos genes ativos entre as duas espécies. Aquelas que se sobrepõem também são ativadas durante a regeneração do tecido da orelha em ratos-espinhosos egípcios (acomys cahirinus).

    Nas espécies existentes, os animais qualificados para a regeneração mantêm as atividades de intensificadores ancestrais para ativar tanto a resposta a lesões quanto a regeneração, ao passo que a redefinição dos intensificadores ancestrais em animais sem qualificação para regeneração levou à perda das capacidades regenerativas.

    Alejandro Sánchez Alvarado, um dos autores do estudo, afirma que os resultados dessa pesquisa permitirão aos cientistas terem "uma compreensão muito mais precisa dos mecanismos que suportam a regeneração animal".

    Mais:

    DNA de 2.000 anos pode revelar mistérios dos manuscritos do mar Morto (FOTOS)
    China divulga dados do genoma de coronavírus encontrado em mercado de Pequim: 'Vírus é da Europa'
    Genoma neandertal faz algumas pessoas sentirem mais dor do que outras, diz estudo
    Encontrado DNA de ancestral desconhecido no genoma de humanos modernos
    Tags:
    EUA, Science, DNA, peixes
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar