15:01 27 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de setembro (48)
    137
    Nos siga no

    Segundo a Universidade Johns Hopkins e a Universidade do Sul da Califórnia, ambas nos EUA, uma estratégia indireta funcionaria melhor para proteger as pessoas mais idosas de infecções.

    A melhor forma de parar a pandemia do SARS-CoV-2 seria distribuindo a vacina aos grupos que mais espalham a COVID-19, os funcionários de saúde e os jovens, e depois deles aos grupos mais vulneráveis da população, recomendam a Universidade Johns Hopkins e a Universidade do Sul da Califórnia em um artigo publicado no portal The Conversation.

    Segundo diretrizes referidas pelas duas instituições norte-americanas, e compostas pelas Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina, a pedido dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (Centers for Disease Control and Prevention, CDC, na sigla em inglês) dos EUA e dos Institutos Nacionais de Saúde, os jovens não são muito afetados pela COVID-19, mas espalham a doença de forma assintomática.

    Essa demografia não só fecha escolas e universidades no país, mas também ameaça comunidades em seu torno, apontam as instituições norte-americanas.

    As universidades, que dizem ter décadas de experiência em economia da saúde e epidemiologia, mencionaram estudos e pandemias anteriores que concluem que a melhor forma de proteger as pessoas mais idosas é vacinando crianças e jovens, pois "muito poucos dos superdisseminadores da COVID-19 são idosos".

    Estudos epidemiológicos

    Em particular, a recomendação refere um estudo de maio em que possivelmente não mais que 10% da população é responsável por 80% das infecções, sendo que até 40% das pessoas com o vírus não demonstram sintomas.

    Além disso, entre os jovens existem pessoas altamente sociais, com grandes círculos de amigos, que espalham o novo coronavírus, mas esses jovens raramente morrem da doença e não apresentam sintomas graves, apontam as universidades. Essas pessoas também têm tido um maior aumento nos casos ultimamente, alertam.

    Como um dos exemplos nos EUA, o artigo informa que a Academia Americana de Pediatria e a Associação Hospitalar Infantil relataram que pelo menos 338.000 crianças testaram positivo para o vírus até 30 de julho, sendo que mais de um quarto desse número deu positivo apenas nas últimas duas semanas desse mês.

    Em 25 de agosto, a emissora France 24 afirmou que havia um aumento recente no número de casos de coronavírus em jovens em vários países na Europa.

    Assim, a Universidade Johns Hopkins e a Universidade do Sul da Califórnia apelam a uma política que leve pessoas idosas a ficarem em casa para evitar contato com os superdisseminadores, e que os jovens devem se inocular assim que surgir uma vacina eficaz.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de setembro (48)

    Mais:

    O que há por trás de alguns dos sintomas mais raros da COVID-19?
    OMS rebate Trump e diz que uso de plasma contra COVID-19 ainda não tem eficácia assegurada
    Imunidade de rebanho não será salvação contra COVID-19 sem vacina, alerta OMS
    Tags:
    France 24, Europa, EUA, Universidade Johns Hopkins, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar