06:19 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 70
    Nos siga no

    2020 já está gravado na história como o ano que virou o mundo de cabeça para baixo, com incêndios florestais, explosões, terremotos, OVNIs e, obviamente, a pandemia da COVID-19.

    Após 130 anos preservada na cidade de Jaipur, no estado indiano do Rajastão, uma múmia egípcia foi retirada da proteção de vidro em que se encontrava.

    Acredita-se que a múmia de aproximadamente 2.400 anos é de uma mulher chamada Tutu. Fotos da múmia surgiram recentemente nas redes sociais.

    A decisão de retirar a múmia depois de tantos anos mantida dentro de uma proteção de vidro foi tomada por causa das fortes chuvas que têm assolado as áreas secas do Rajastão. A água conseguiu entrar no museu Albert Hall, onde a múmia estava mantida.

    Depois de serem notados danos no edifício provocados pela água, o museu optou por retirar a peça do lugar.

    O diretor do Departamento de Arqueologia e Museus do Rajastão, Prakash Chandra Sharma, disse à mídia que as enchentes deixaram todos os arquivos encharcados e fizeram com que o nível de água no escritório do museu chegasse a cerca de um metro e meio.

    Os documentos danificados estão sendo tratados, enquanto o museu fechou suas portas para os visitantes por pelo menos uma semana.

    Mais:

    Mistério da 'múmia que grita' de mais de 3.200 anos é revelado no Egito (FOTOS)
    Descobertas pinturas de deusa egípcia em sarcófago de múmia de 3.000 anos (FOTOS)
    Identidade de múmia de 2.600 anos encontrada na Sibéria é revelada (FOTOS)
    Tags:
    aguaceiro, chuvas, Índia, sarcófago, Egito, múmia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar