05:01 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de agosto (51)
    7241
    Nos siga no

    A severidade da COVID-19 tem sido ligada à destruição dos pulmões, tanto devido ao ataque viral em si como em consequência da resposta imunológica, descrita como uma "espada de dois gumes".

    Pacientes em estado grave com COVID-19 podem ser salvos através do enfraquecimento do sistema imunológico, segundo um estudo da Universidade de Aarhus, Dinamarca.

    A pesquisa, publicada na revista Science, indicou que a resposta do sistema imunológico para combater a COVID-19 através da liberação de citocinas, que impedem a propagação de doenças virais, retardando suas divisões celulares, pode minar os pulmões dos pacientes, dificultando a respiração.

    A gravidade da doença está ligada à destruição da superfície dos pulmões, tanto devido ao ataque do próprio vírus como por consequência da resposta imunológica. As citocinas extraem grandes quantidades de líquido e enfraquecem o tecido pulmonar, tornando mais difícil a proteção contra bactérias nocivas. A falência de múltiplos órgãos associada às chamadas "tempestades de citocinas" tem sido observada em muitos países durante a pandemia da COVID-19.

    "As citocinas do sistema imunológico são uma espada de dois gumes nestes tipos de infecções. As células infectadas pelo vírus são impedidas de crescer e se dividir, mas infelizmente estas citocinas têm o mesmo efeito sobre as células que não contêm vírus, tais como as do tecido pulmonar danificado", afirmou Rune Hartmann, professor do Departamento de Biologia Molecular e Genética da Universidade de Aarhus, de acordo com a agência Ritzau.

    Como tal, uma redução oportuna da reação do sistema imunológico ao coronavírus poderia ajudar a salvar vidas.

    "Nossos [...] resultados mostram que as células pulmonares danificadas não são reparadas. O tratamento ideal para pessoas que estão gravemente doentes com vírus respiratórios é, portanto, inicialmente estimular as citocinas precocemente durante a infecção e depois baixá-las posteriormente para evitar matar o paciente", explicou Hartmann.

    Apesar do novo estudo ter sido realizado em ratos, com o vírus da gripe como um organismo-modelo, os pesquisadores estão confiantes de que suas observações também se aplicam a seres humanos.

    Suspeita-se também que as tempestades de citocinas tenham sido a principal causa de morte durante a pandemia da gripe espanhola de 1918, cujo número de vítimas pode ter chegado a 100 milhões. As mortes ocorreram desproporcionalmente em pessoas com sistemas imunológicos saudáveis, devido à sua capacidade de gerar respostas imunológicas mais fortes com picos dramáticos nos níveis de citocinas.

    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de agosto (51)

    Mais:

    Vacina russa contra COVID-19 mostra 'resposta imunológica inequívoca' em todos os voluntários
    'Dupla defesa' contra coronavírus oferece esperança de vacina eficaz ainda em 2020
    Herança dos neandertais pode nos tornar mais suscetíveis ao coronavírus, alertam pesquisadores
    Novo coronavírus e HIV agem da mesma forma para driblar as defesas humanas, aponta estudo chinês
    Tags:
    COVID-19, Dinamarca
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar