00:21 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1282
    Nos siga no

    Arqueólogos ficaram abismados após a descoberta de um esqueleto que pertenceria a uma pessoa com gigantismo.

    A descoberta foi feita próximo de Roma, quando pesquisadores se depararam com os restos de um homem que seria classificado como gigante quando viveu no século III d.C., revela o tabloide Express.

    A grande raridade do achado se deve ao fato de, atualmente, o gigantismo ser encontrado só em três pessoas a cada milhão de habitantes.

    A condição começa na infância, quando uma disfunção da glândula pituitária causa crescimento anormal. Trata-se do primeiro caso, no Império Romano, que se acredita claramente apresentar essa perturbação, afirma Simona Minozzi, paleontologista da Universidade de Pisa (Itália).

    Avanços na arqueologia: descoberta impressionante de um esqueleto gigante - "é uma montanha humana".

    Arqueólogos ficaram estupefatos com a descoberta de um esqueleto que um estudo afirma ser de uma pessoa com gigantismo.

    O esqueleto de 1,8 metro, em uma época em que a média de altura nos homens era 1,5 metro, havia sido encontrado em 1991 em uma escavação na necrópole de Fidenae, um território indiretamente administrado por Roma.

    Porém, foi somente após a constatação do tamanho anormal do esqueleto que os ossos foram enviados para análise por uma equipe liderada por Minozzi, que constatou o gigantismo em um estudo publicado pelo Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism.

    A razão da morte do homem, que tinha entre 16 e 20 anos, permanece desconhecida, mas podia ter estado conectada com problemas relacionados ao gigantismo, como doenças cardiovasculares ou problemas respiratórios, explica Minozzi.

    Minozzi acredita que a alta sociedade do Império Romano "desenvolveu um destacável interesse por animadores com evidentes malformações físicas, tais como corcundas e anões [...].

    Portanto, a arqueóloga considera que este homem tenha atraído atenção e interesse com sua altura incomum na época.

    Mais:

    Esqueleto de 4.500 anos em pose estranha deixa arqueólogos perplexos (FOTO)
    Encontrado na China esqueleto sem cabeça envolvido em antigo ritual (FOTO)
    Fóssil de dinossauro jovem de 70 milhões de anos é descoberto no Alasca (FOTOS)
    Tags:
    descoberta, Império Romano, pesquisa, doença, arqueologia, osso, esqueleto
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar