10:57 26 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    3180
    Nos siga no

    Os cientistas acreditam que um escudo antirradiação composto por uma camada de um fungo especial poderia proteger eficazmente os colonos na superfície do Planeta Vermelho.

    Embora a radiação cósmica represente um grande desafio às viagens da humanidade no espaço profundo, aparentemente um organismo encontrado em Chernobyl pode ajudar a proteger os astronautas, segundo um estudo citado pela New Scientist.

    O estudo propõe o uso de uma espécie de escudo feito de um fungo que foi descoberto crescendo na Usina Nuclear de Chernobyl em 1991, e que aparentemente é capaz de bloquear e absorver a radiação.

    "O que torna o fungo excelente é que são precisos apenas alguns gramas para começar [...] Ele se autorreplica e se recupera naturalmente. Portanto, mesmo que haja uma erupção solar que danifique significativamente o escudo antirradiação, ele será capaz de crescer novamente em alguns dias", afirmou Nils Averesch, pesquisador da Stanford e coautor do estudo.

    Os pesquisadores postulam que uma camada destes fungos de aproximadamente 21 centímetros de espessura poderia "anular o equivalente à dose anual de radiação na superfície de Marte", sendo que seria necessária apenas uma camada de nove centímetros de espessura "com uma mistura equimolar de melanina e rególito marciano".

    Ilustração artística de Marte
    Ilustração artística de Marte

    Anteriormente, o dr. Kasthuri Venkateswaran, cientista sênior do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, que também conduziu experimentos com o fungo, propôs que o poder de absorção da radiação do organismo pudesse ser extraído e sintetizado na forma de medicamento.

    Mais:

    Internautas acreditam ter encontrado imenso osso em FOTO de Marte
    Expedições a Marte podem provocar nova pandemia na Terra, segundo cientistas
    Mistério espacial: estudo aponta para existência de anéis em Marte
    Tags:
    estudo, Chernobyl, radiação, planetas, planeta, Marte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar