04:56 02 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    COVID-19 e o mundo no final de julho (43)
    0 60
    Nos siga no

    Após analisar mais de 15 mil genomas do vírus, especialistas descobriram mais de seis mil mutações nas quatro bases que compõe o código genético do microrganismo.

    Pesquisadores das Universidades de Bath e Edimburgo, Reino Unido, descobriram que algumas mutações do SARS-CoV-2, o vírus que causa a doença COVID-19, parecem ser ocasionadas pelas proteínas humanas, que o destroem.

    Segundo o estudo, publicado pela revista científica Molecular Biology and Evolution, a seleção natural do novo coronavírus o permite se recuperar ante tais degradações, algumas delas causadas por uma família de proteínas humanas chamada APOBEC, conhecida por afetar o código genético dos vírus que infectam as células humanas.

    Um modelo do SARS-CoV-2 é visto em frente de uma audiência do Subcomitê de Apropriações do Senado dos EUA sobre um plano de pesquisa, fabricação e distribuição de uma vacina contra o coronavírus, conhecida como Operation Warp Speed, no Capitólio em Washington, EUA, 2 de julho de 2020
    © REUTERS / Saul Loeb
    Um modelo do SARS-CoV-2 exibido ao Subcomitê de Apropriações do Senado dos EUA

    Após analisar mais de 15 mil genomas do SARS-CoV-2, pesquisadores encontraram mais de seis mutações nas quatro bases que compõe o código genético do microrganismo: guanina (G), adenina (A), citosina (C) e uracilo (U).

    Deste modo, determinaram que o vírus tinha uma alta taxa de mutações que geram resíduos U.

    "Examinei os perfis das mutações de muitos organismos e todos mostram alguma forma de se enviesar, mas não vi uma tão forte e peculiar como esta", salientou em um comunicado o pesquisador principal do estudo, Laurence Hurst.

    'Muito frágeis para se propagarem'

    Portanto, algumas versões do coronavírus estão sobrevivendo melhor que outras nas células humanas, pois aquelas que possuem um excesso de U não seriam suficientemente fortes para se reproduzirem.

    "Estimamos que para cada dez mutações que observamos, há outras seis que nunca vemos porque os vírus mutantes são muito frágeis para se propagarem", explica Hurst.

    As descobertas sugerem que o corpo humano está atacando o vírus de maneira degradante. Esse conhecimento será valioso para o desenvolvimento de vacinas e tratamentos contra a COVID-19.

    Tema:
    COVID-19 e o mundo no final de julho (43)

    Mais:

    Rússia conclui com sucesso testes de vacina contra coronavírus
    Número de mortos pela COVID-19 no Brasil ultrapassa 84 mil
    Em Portugal, brasileiros e africanos lideram novos casos de COVID-19 entre imigrantes
    Tags:
    genética, ciência, estudo, pandemia, novo coronavírus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar