13:02 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 241
    Nos siga no

    A capital da confederação Xiongnu de povos nômades, um império que se prolongou entre o século III a.C. até o primeiro século d.C, foi escavada na Mongólia após uma década de tentativas.

    Durante escavações na Mongólia, os arqueólogos afirmam ter descoberto a cidade de Longcheng, capital do Império Xiongnu, também conhecida como Cidade do Dragão, informou a agência de notícias Xinhua.

    "Como resultado de mais de uma década de pesquisas no centro político do Império Xiongnu, estou muito feliz por termos descoberto e escavado a capital do império, Cidade do Dragão ou Cidade Longcheng", afirmou à Xinhua Tumur-Ochir Iderkhangai, o líder da equipe de arqueólogos.

    Os pesquisadores descobriram um fragmento da decoração frontal de um telhado com a inscrição "Filho do Céu Shanyu".

    "Filho do Céu" é um título imperial sagrado, usado durante o reinado da dinastia Zhou na China, sendo posteriormente adotado por outros monarcas na Ásia. A palavra "Shanyu" era usada para designar os governantes do Império Xiongnu.

    De acordo com Tumur-Ochir Iderkhangai, esta é a primeira vez que um objeto com essa inscrição é descoberto.

    ​O dr. Iderkhangai e sua equipe traduziram as inscrições como "Shanyu é o Filho do Céu". Shanyu (ou Chanyu) foi o título do líder supremo do Império Xiongnu/Khunnu (209 a.C. – 91 d.C.), o primeiro grande império de nômades da Eurásia registrado na história.

    A Cidade do Dragão foi descoberta pela primeira vez em 2017, mas as escavações foram adiadas devido à falta de fundos.

    O Império Xiongnu era uma confederação de povos nômades que habitavam a parte oriental das estepes da Eurásia desde o século III a.C. até o primeiro século d.C.

    O império tinha um relacionamento complexo com as dinastias na China, em que a chamada diplomacia do casamento era alternada com conflitos militares.

    Os historiadores também discutem sobre o núcleo étnico dos Xiongnu, pois apenas alguns nomes e palavras foram preservados. Diversas hipóteses sugerem que eles podem ter falado iraniano, mongol, turco, urálico ou ienisseiano.

    Mais:

    Arqueólogos encontram restos de monges por baixo de edifício de 800 anos (FOTOS)
    Arqueólogos desenterram cabeça de antiga estátua de Buda na Coreia do Sul (FOTOS)
    Arqueólogos creem ter encontrado teatro de 500 anos, o mais antigo de Londres (FOTOS)
    Tags:
    Mongólia, arqueólogos, arqueólogo, descoberta, arqueologia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar