08:19 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    140
    Nos siga no

    O mais antigo ancestral de golfinhos foi encontrado em um fóssil originalmente mal identificado nos anos 1990, e poderia ajudar a explicar a evolução das baleias modernas.

    Cientistas encontraram um esqueleto fossilizado quase completo de um ancestral de golfinhos no estado norte-americano da Carolina do Sul, do Oligoceno, há uns 25 milhões de anos, segundo o portal Eureka Alert.

    Esta ilustração mostra uma restauração de uma cápsula de Ankylorhiza tiedemani caçando
    Foto do extinto golfinho Ankylorhiza tiedemani

    De 4,8 metros de comprimento, o esqueleto da Ankylorhiza tiedemani foi inicialmente encontrado nos anos 1990, sendo mal classificado na época. Predador nato, é estimado que o Ankylorhiza tiedemani tenha se extinguido há 23 milhões de anos. Hoje só a orca é uma baleia utilizadora de ecolocalização que também é predadora.

    "Por causa do Oligoceno ser a época em que a alimentação por filtro e ecolocalização evoluiu pela primeira vez, e por causa de as localidades de mamíferos marinhos daquela época serem escassas em todo o mundo, os fósseis de Charleston oferecem a janela mais completa para a evolução inicial destes grupos, oferecendo uma visão evolutiva sem paralelo", afirmou o paleontólogo Robert Boessenecker.

    Sua idade permitiria atirar luz sobre os dois tipos modernos de baleias. A forma do crânio e da cauda, o osso curto do braço na barbatana e a forma dos dentes sugerem que tanto as baleias-de-barbas como as baleias com dentes evoluíram muitas das mesmas características em paralelo independentemente uma da outra, em vez de herdá-las do mesmo ancestral, como se pensava anteriormente.

    "O grau em que as baleias e os golfinhos chegam independentemente às mesmas adaptações gerais de natação, em vez de estas características evoluírem uma vez no ancestral comum de ambos os grupos, nos surpreendeu", segundo o paleontólogo Robert Boessenecker, do Colégio de Charleston, EUA.

    A evolução ocorreu em ambientes marinhos semelhantes, mas esse desenvolvimento não é um dado adquirido. Como exemplo, diferentes linhagens de focas e leões-marinhos desenvolveram seus próprios modos de nadar e acabaram com esqueletos pós-cranianos muito diferentes.

    A equipe de cientistas planeja continuar pesquisas com outros fósseis de Ankylorhiza tiedemani, que aguardam estudo.

    Mais:

    Cientistas descobrem esqueletos de baleias e tubarões sob antigas pirâmides no Peru (FOTOS)
    Onda de calor pode acabar com um dos animais mais inteligentes do mundo
    Predador alfa de tempos remotos: baleia de 18 metros comia outros cetáceos (FOTOS)
    Tags:
    EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar