23:56 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    154
    Nos siga no

    O centro de inteligência artificial do Pentágono está alterando seu foco para permitir operações de combate conjuntas.

    O Pentágono desenvolverá ferramentas de inteligência artificial que serão integradas aos esforços do Comando e Controle Conjunto de Todos os Domínios (JADC2, na sigla em inglês) do Departamento de Defesa dos EUA, informa o portal militar C4ISRNET.

    "Conforme amadurecemos, estamos dedicando especial atenção para nossas operações conjuntas de combate e sua iniciativa da missão, que é focada nas prioridades da Estratégia de Defesa Nacional e seu objetivo de preservar as vantagens militares e tecnológicas americanas em relação aos nossos competidores estratégicos", afirmou Nand Mulchandani, diretor em exercício do Centro Conjunto de Inteligência Artificial (JAIC, na sigla em inglês), a repórteres nesta quarta-feira (8).

    Este anúncio representa uma grande mudança para o JAIC em relação a sua posição um ano atrás, quando a organização ainda tinha como objetivo usar a inteligência artificial para esforços como os de manutenção preditiva. Aparentemente, esta transformação se justifica pelo foco do Departamento de Defesa dos EUA em desenvolver o JADC2, uma plataforma de abordagens de sistema que irão conectar sensores com sistemas de tiro em tempo real.

    Inteligência artificial (imagem ilustrativa)
    © CC0 / geralt
    Inteligência artificial (imagem ilustrativa)

    De acordo com Mulchandani, os gastos no ano fiscal de 2020 na iniciativa de operações conjuntas de combate são maiores que os com o JAIC em todas as outras iniciativas de missão combinadas. Em maio, o centro concedeu um contrato de US$ 800 milhões (R$ 4,27 bilhões) à Booz Allen Hamilton por cinco anos para apoiar o desenvolvimento destas operações.

    "Temos um projeto em andamento em operações de combate conjuntas que, de fato, será testado", afirmou. "Eu descreveria que é uma inteligência artificial de grande vantagem tática. Este trabalho será testado. Na verdade, é um trabalho promissor – estamos muito animados sobre ele."

    Ainda que não tenha sido nomeado, o diretor em exercício garantiu aos repórteres que o projeto envolveria operadores humanos e controle humano completo.

    Mais:

    Departamento de defesa: EUA vão testar 2 mísseis hipersônicos até fim do ano
    Mídia 'ataca' Departamento de Defesa ao tentar saber de satélite secreto perdido
    Pentágono adota 5 princípios éticos para uso de inteligência artificial em armamentos
    Tags:
    defesa, Pentágono, inteligência artificial, Departamento de Defesa dos EUA, EUA, tecnologia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar