08:15 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 30
    Nos siga no

    O inseto apresenta uma série de traços externos que o distinguem de seus parentes modernos.

    Especialistas do Museu Zoológico da Universidade Estatal de Moscou encontraram em um pedaço de âmbar uma nova espécie extinta de besouro que viveu há 39 milhões de anos, informa o museu em um comunicado de imprensa.

    A espécie, perfeitamente conservada, foi descoberta em uma amostra de âmbar encontrada na Ucrânia. Os especialistas a denominaram Telmatophilus sidorchulae, sendo muito semelhante à espécie moderna Telmatophilus typhae.

    Este besouro apresenta uma série de traços externos que o distinguem de seu parente moderno, em particular antenas relativamente longas e patas mais próximas. "Este é o primeiro representante encontrado da espécie, pois somente se conheciam os besouros modernos deste gênero", disse o principal pesquisador do Museu Zoológico, Georgy Lubarsky.

    "Felizmente, a peça de âmbar com o besouro é muito transparente. O inseto é claramente visível, é até mesmo possível observar os detalhes de sua estrutura", comentou o especialista.

    Os entomólogos relacionaram a aparição da espécie Telmatophilus com a ampla disseminação de plantas semissubmersas (Typha e Sparhanium), fonte de alimentação destes insetos.

    Âmbar com besouro conservado há 39 milhões de anos
    Âmbar com besouro conservado há 39 milhões de anos

    Diferentemente de outros gêneros da família, os Telmatophilus passaram a se alimentar de plantas, enquanto o resto continuou comendo fungos e mofo.

    Os dados obtidos pelos especialistas permitem reconstruir um período desconhecido da evolução dos organismos animais na segunda metade do Eoceno.

    O âmbar é uma resina fossilizada proveniente de árvores que viveram há milhões de anos e que, posteriormente, ficaram debaixo do solo ou da água. Quando a resina ainda era flexível, no seu interior frequentemente ficavam "presos" pequenos insetos e plantas que, muito tempo depois, permanecem visíveis no âmbar petrificado translúcido, muito usado em joias.

    Mais:

    Fóssil de preguiça gigante desconhecida é achado em gruta submersa no México (FOTOS)
    'Capturadas em ação': achado âmbar de 41 milhões de anos com moscas se acasalando (FOTO)
    Encontrado lagarto de 20 milhões de anos preservado em âmbar (FOTOS)
    Tags:
    Universidade Estatal de Moscou, pesquisa, fóssil, ciência, besouros, inseto
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar