03:36 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    1252
    Nos siga no

    Grande parte da vida de Genghis Khan permanece ainda um mistério, mas um novo estudo de pesquisadores da Austrália e Mongólia fornece novos dados sobre sua época.

    Genghis Khan, que teria vivido entre 1162 e 1227, fundou aquele que foi o maior império do mundo - o Império Mongol.

    Em estudo publicado na edição de junho de 2020 da revista científica Archaeological Research in Asia, pesquisadores da Austrália e da Mongólia reanalisaram ossos e dentes de animais antes encontrados por arqueólogos mongóis e japoneses no sítio arqueológico de Avraga (Mongólia).

    Os arqueólogos suspeitavam que Avraga podia ter sido o habitual acampamento de inverno de Genghis Khan.

    Para comprovar essa teoria, a equipe liderada por Jack Fenner recorreu à datação por radiocarbono dos artefatos anteriormente coletados.

    Datação por radiocarbono

    Mas, em virtude de a datação por radiocarbono poder ser imprecisa, atingindo facilmente diferenças entre 15 a 20 anos - e mesmo entre 50 a 75 anos caso não se tenha em conta a concentração atmosférica de carbono – os cientistas tiveram de desenvolver seu próprio método.

    "O que fizemos foi tirar uma série de dados de radiocarbono da localização. Isso nos possibilitou então recorrer a uma ferramenta estatística para projetar quando o lugar foi primeiro ocupado e depois abandonado ", afirmou Fenner.

    De seguida, a equipe procurou apurar a probabilidade de o lugar ter sido usado durante o tempo de Genghis Khan.

    "A datação coincidiu muito de perto com o período da vida de Genghis Khan", afirmou Fenner à ABC Australia.

    "Não é uma ciência exata, mas a sobreposição [de datas] é tal que é muito provável que tenha sido ocupado pela primeira vez durante sua vida e tenha sido abandonado [depois] ou dentro de algumas décadas [após sua morte]", acrescentou Fenner.

    "A análise de isótopos de carbono, nitrogênio, oxigênio e estrôncio de ovinos, caprinos, bovinos, bem como de ossos e dentes de cavalo forneceu uma visão sobre a utilização do gado durante o império, e também nos deu uma base melhorada para avaliar dados de isótopos de restos humanos na região", indica o estudo.

    Pesquisa elogiada

    Segundo a ABC Australia, o estudo foi muito bem recebido pela comunidade científica internacional.

    Para o arqueólogo Joshua Wright da Universidade de Aberdeen (Reino Unido), "o mais interessante do estudo é seu foco na dieta e práticas de pastoreio na Mongólia Medieval, fornecendo desse modo uma visão sobre a vida cotidiana no passado", neste caso sobre as pessoas que "viveram e trabalharam próximo dos governantes do Império Mongol", acrescentou.

    William Taylor, professor da Universidade do Colorado (EUA) destaca que o estudo demonstrou fortemente que a maioria dos animais encontrados neste local morreu "em uma determinada janela de tempo", elogiando dessa forma o método de datação usado.

    "É fantástico ver projetos de pesquisa integrando grandes conjuntos de dados por radiocarbono e isótopos com registros históricos, o que nos dá um nível realmente único de detalhe científico quanto aos modos de vida da antiga Mongólia".

    Para Fenner, há muito mais trabalho a fazer, pois os arqueólogos ainda não conseguiram desenterrar nenhum artefato no lugar com ligação direta ao imperador mongol.

    O arqueólogo concluiu suas declarações à ABC afirmando que os mongóis admiram o legado de Genghis Khan, a sua organização política, a forma como ele promoveu as pessoas com base no mérito e não no clã, e estabeleceu um Estado de Direito.

    Mais:

    Noruega começa a desenterrar 1º navio viking em um século (FOTO)
    Antigo fragmento de sarcófago descoberto na Turquia (FOTO)
    Restos mortais de decapitados na Revolução Francesa são descobertos em capela de Paris
    Tags:
    império, história, Mongólia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar