01:15 30 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 180
    Nos siga no

    Um arqueólogo investigou as pesquisas feitas ao longo do tempo sobre a Pirâmide Negra de Amenemés III no Egito, considerando que ainda é possível escavar mais no local.

    Em 2008 foi descoberta uma estrutura perto das ruínas da Pirâmide Negra em Hawara, Egito, que revelou ser um complexo de edifícios e galerias, chamado de "labirinto" pelo famoso historiador grego Heródoto, construído pelo faraó Amenemés III no século XIX a.C.

    O pesquisador Ben Van Kerkwyk revelou a descoberta em um vídeo no YouTube, chamando-a de "enorme salto à frente" e "uma oportunidade de [...] aprendizagem histórica, que não presenciamos em um século", escreve o jornal Express.

    "Esta era uma estrutura gigantesca e mítica, dita por alguns para ter superado as conquistas das pirâmides, uma enorme variedade de milhares de salões subterrâneos, templos e câmaras, de várias vezes o tamanho de todos os locais de templos egípcios conhecidos", descreveu.

    Crônica arqueológica

    Devido à falta de provas visíveis, a história foi durante muito tempo considerada uma lenda, até o egiptólogo Flinders Petrie redescobrir o local no final do século XIX, o que levou especialistas a teorizar que o labirinto foi demolido sob o reinado de Ptolomeu II no século III a.C., e usado para construir a cidade vizinha de Shedyt para homenagear sua esposa Arsinoe.

    O arqueólogo explicou que Petrie encontrou os restos de uma fundação de pedra de mais de 300 metros de largura, quatro metros abaixo da areia.

    "Esta estrutura foi visitada e testemunhada em primeira mão pelos grandes historiadores de milênios passados, mas acabou se perdendo para as areias do deserto e sua presença física permaneceu desconhecida por mais de 2.000 anos", diz.

    Kerkwyk ainda criticou as autoridades locais por sua "inação" em preservar o patrimônio, notando também o aumento do nível de água, ambos os quais diz estarem arruinando o potencial do local, apenas restando tijolos de lama à vista.

    "Ele [Petrie] concluiu que estes eram os restos das fundações do labirinto, com a própria estrutura sendo há muito tempo extraída e destruída", diz Ben Van Kerkwyk, teorizando que o arqueólogo do século XIX encontrou um teto ou telhado, e não a base da estrutura.

    Segundo Kerkwyk, foi o radar de penetração usado na pesquisa em 2008 pela Expedição Mataha, uma colaboração entre autoridades egípcias, a Universidade de Ghent da Bélgica e financiada pelo artista contemporâneo Louis De Cordier, que permitiu averiguar isso, e o sítio ainda foi escavado.

    "É uma coisa rara para os antigos mistérios históricos serem totalmente resolvidos", apontou.

    Mais:

    Restos de dezenas de mamutes descobertos no México (FOTOS, VÍDEO)
    Lendário arquiteto poderia ter sido enterrado ao redor da 1ª pirâmide do Egito
    Arca de pedra com 3.500 anos pode revelar túmulo perdido do faraó Tutmés II (FOTOS)
    Revelado verdadeiro propósito da Grande Pirâmide de Gizé, segundo historiador
    Arqueólogos ficam 'aterrorizados' com nova descoberta no Egito (FOTOS)
    Tags:
    Egito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar