09:00 12 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 190
    Nos siga no

    Estudo de cientistas da Universidade do Texas (EUA) mostra associação entre sedentarismo e um maior risco de morte por câncer.

    Foi publicado em 18 de junho o primeiro estudo que analisou ligações objetivas entre comportamento sedentário e mortalidade por câncer.

    Pesquisadores do Centro Anderson do Câncer da Universidade do Texas descobriram que uma maior inatividade estava inevitavelmente associada a um maior risco de morte por câncer.

    Os indivíduos mais sedentários apresentaram um risco 82% superior de mortalidade por câncer comparando com indivíduos menos sedentários.

    Para maior fiabilidade, foi usado um acelerômetro para medir a atividade física, ao invés de depender de autorrelatos dos participantes.

    "Este é o primeiro estudo que mostra definitivamente uma forte associação entre o não se mexer e a morte por câncer", afirmou Susan Gilchrist, autora principal do estudo, ao portal Medical press.

    "Nossas descobertas mostram que o tempo que uma pessoa passa sentada antes de um diagnóstico de câncer prediz o tempo até sua morte por câncer."

    Pesquisadores também descobriram que a substituição de 30 minutos de tempo sedentário por atividade física reduzia a possibilidade de morte por câncer. Em 31% se a atividade for de intensidade moderada, como o ciclismo, e em 8% em caso de atividade de intensidade leve, como a caminhada.

    Detalhes do estudo

    Este estudo envolveu mais de 30.000 adultos americanos com idade superior a 45 anos, entre 2003 e 2007, para avaliar os resultados a longo prazo.

    Para medir o comportamento sedentário, em 8.002 participantes a quem não tinha sido diagnosticado câncer foi colocado um acelerômetro no quadril durante as horas de vigília por sete dias consecutivos.

    Os dados do acelerômetro foram coletados entre 2009 e 2013. Após um acompanhamento médio de cinco anos, 268 participantes morreram de câncer. Um maior comportamento sedentário foi associado a um maior risco de morte por câncer.

    O estudo apurou "que indivíduos que substituíram 10 a 30 minutos de tempo sedentário por atividade física leve, moderada ou intensa apresentaram um menor risco de mortalidade por câncer", disse Gilchrist.

    "Nossas descobertas reforçam que é importante 'sentar menos e mexer mais' e que incorporar 30 minutos de movimento em sua vida diária pode ajudar a reduzir o risco de morte por câncer", disse Gilchrist, alertando para que mesmo uma atividade leve aumenta as chances de sobrevivência ao câncer.

    "Nosso próximo passo é pesquisar como o comportamento sedentário medido objetivamente afeta a incidência de câncer específico localizado e se o gênero e a raça desempenham algum papel", concluiu a cientista.

    Mais:

    Dificuldades em se mover ou falar: OMS adverte sobre novos sintomas da COVID-19
    Quanto tempo coronavírus permanece no corpo de infectados?
    Estudos revelam por que coronavírus atacaria mais os homens calvos
    Tags:
    câncer, doenças
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar