01:01 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Ciência e tecnologia
    URL curta
    0 120
    Nos siga no

    Pesquisadores da Universidade Estadual do Arizona (EUA) revelaram que a extensa queima de carbono na Sibéria acarretou extinção de Permiano-Triássico, maior evento de extinção presenciado pela Terra.

    A equipe internacional, liderada pela professora Lindy Elkins-Tanton, se concentrou nas rochas vulcânicas dos Trapps Siberianos, ou províncias magmáticas siberianas. O massivo evento de erupção que formou este fenômeno da natureza é um dos mais conhecidos nos últimos 500 milhões de anos.

    As erupções continuaram durante aproximadamente dois milhões de anos e abarcaram entre o Permiano e o Triássico. Atualmente, a região está coberta por aproximadamente cinco milhões de quilômetros quadrados de rocha basáltica.

    A extinção deste período afetou toda a vida na Terra há cerca de 252 milhões de anos. Durante este evento, 96% de todas as espécies marinhas e 70% de todas as espécies de vertebrados terrestres foram extintas.

    Inverno na Sibéria (foto de arquivo)
    © Sputnik / Aleksandr Kryazhev
    Inverno na Sibéria (foto de arquivo)

    Os cálculos de temperatura da água do mar indicam que, no período máximo da extinção, a Terra sofreu um aquecimento global letal, em que a temperatura dos oceanos equatoriais superou 40 graus Celsius. Foram necessários milhões de anos para que os ecossistemas se restabelecessem e as espécies se recuperassem.

    Entre as possíveis causas deste evento de extinção está a queima massiva de carbono, que levou a um catastrófico aquecimento global, devastador para a vida.

    À medida que as amostras foram analisadas, a equipe envolvida começou a se deparar com peculiares partículas vulcanoclásticas, que pareciam madeira queimada e, em alguns casos, carbono queimado. O trabalho de campo posterior levou a novos locais com carbono, além de manchas úmidas ricas em matéria orgânica nas rochas.

    "Nosso estudo demonstra que os magmas dos Trapps Siberianos incorporavam carbono e material orgânico", revelou Elkins-Tanton, agregando se tratar de evidência direta de que os magmas também queimaram grandes quantidades de carbono e matéria orgânica durante a erupção.

    Ainda assim, os pesquisadores observaram coincidência entre as mudanças do final do período Permiano e o que está ocorrendo na Terra hoje, incluindo a queima de hidrocarbonetos e carbono, a chuva ácida de enxofre e, até mesmo, os halocarbonetos que destroem o ozônio.

    "Ver estas semelhanças nos dá um impulso extra para tomar medidas agora, e também para compreender melhor como responde a Terra às mudanças como estas a longo prazo", comentou Elkins-Tanton.

    Os resultados da pesquisa foram publicados recentemente pela revista Geology.

    Mais:

    Peixe herbívoro pode ser solução para aquecimento global
    Cientistas brasileiros pesquisam na Antártica consequências do aquecimento global
    Qual a ligação genética mais profunda entre povos da Sibéria e das Américas? (FOTOS)
    Tags:
    extinção, Aquecimento global, natureza, carbono, Sibéria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar